Cidades

2.240 famílias podem perder benefício do Bolsa Família em Suzano

16/09/2016 08:00


Ao todo, 2.240 famílias do Programa Bolsa Família em Suzano podem perder o benefício caso deixem de regularizar o cadastramento. Para que não haja o cancelamento, todos deverão passar por revisão cadastral. Atualmente, 12.240 famílias são contempladas pelo programa na cidade. O dado é de agosto deste ano. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, a atualização dos dados é de extrema importância para aumentar a focalização dos recursos do programa e fazer com que os benefícios cheguem a quem realmente precisa deles. Para se ter direito ao benefício, é preciso estar inscrito no Cadastro Único. Diante esse plano, as famílias têm porta de entrada para diversos programas sociais do governo federal. Em junho do ano passado, havia 27.155 famílias de Suzano inscritas no Cadastro Único. Porém nem toda família é cadastrada no programa. As informações atualizadas devem ser procuradas no setor responsável pelo Cadastro Único da cidade, ou seja, na Rua Paraná, Jardim Paulista. É obrigatório que os cadastrados levem documentos que comprovem renda, endereço, composição familiar, entre outros. Caso encontre alguma dificuldade para atualizar o cadastro, o inscrito pode entrar em contato com a Central de Relacionamento do Ministério, pelo telefone 0800-707-2003. O Bolsa Família é um programa de transferência direta de renda que beneficia famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza do País. O programa integra o Plano Brasil Sem Miséria, que tem como objetivo de atuar na casa dos brasileiros com renda familiar per capita inferior a R$ 77 mensais. REAJUSTE Há dois meses, houve um reajuste de 12,5%, o qual beneficiou 11.281 famílias em Suzano. A decisão foi tomada pelo atual presidente Michel Temer (PMDB), e pelo ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, durante cerimônia no Palácio do Planalto. O repasse enviado ao município para os beneficiários do programa federal chegou a R$ 1,5 milhão. O valor médio de repasse saiu de R$ 162,07 para R$ 182,31. O percentual de aumento variou de acordo com quanto à pessoa recebe. O benefício básico, para famílias em extrema pobreza foi para R$ 85.