Editorial

Escolas seguras

10/04/2019 23:59


O DS trouxe, na edição de ontem, reportagem mostrando que Suzano vai contar com 46 novos psicólogos para atendimento público de estudantes, educadores e demais funcionários de escolas municipais e estaduais.
Uma informação importante; uma forma de resposta aos problemas de falta de segurança nas escolas intensificada, principalmente, após o ataque na Escola Raul Brasil.
O atentado na escola chocou Suzano, o País e o mundo. Requer medidas urgentes e providências. 
A expectativa é de que além da contratação emergencial, também serão feitos investimentos na segurança das escolas estaduais da cidade com a instalação de 180 câmeras, botões de pânico e fechaduras eletrônicas.
Os anúncios são providências tomadas como consequência do ataque sofrido pela Raul Brasil, em 13 de março, que resultou na morte de dez pessoas, e a previsão é de que sejam concretizados por meio de convênios nas próximas semanas.
A expectativa, nesse momento é de que o anúncio possa, efetivamente, sair do papel.
De acordo com a reportagem publicada pelo DS, os 46 psicólogos serão contratados a partir da lista de classificados do processo seletivo realizado pela Prefeitura de Suzano no ano passado. Deste total, 40 estarão à disposição para atendimento clínico em unidades municipais, como postos de saúde e Centros de Atenção Psicossocial (Caps). Três profissionais ficariam de maneira fixa na Escola Estadual Professor Raul Brasil e outros três permaneceriam na sede da Diretoria Regional de Ensino, a fim de que possam ser deslocados aonde forem necessários.
A situação na Escola Raul Brasil ainda preocupa, principalmente por causa de funcionários, professores e alunos que ainda temem em retornar ao ambiente escolar da unidade.
O Estado tem expectativa, no entanto, de investimento de R$ 9,5 milhões e a contratação dos profissionais seria por dois anos. A medida é necessária porque, desde a tragédia, mais de 1,2 mil pessoas procuraram atendimento psicológico nos equipamentos públicos da Prefeitura de Suzano. Paralelamente a isso, a Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania está dando andamento ao processo de instalação do Centro de Referência e Apoio à Vítima (Cravi). É preciso aguardar os próximos dias sobre a efetividade dessas promessas tão importantes.