Cidades

Greve dos ferroviários pode afetar 164.539 passageiros na região

Número de passageiros afetados se refere às doze estações na região; Estação Suzano terá o maior impacto

11/06/2019 23:00


Ao menos 164.539 passageiros da região, que utilizam os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), devem ser afetados pela greve geral marcada para sexta-feira, 14, em 12 estações na região. A de Suzano terá o maior número de pessoas afetadas, com 32.495. Seguido da Estação Ferraz de Vasconcelos, totalizando 23.841, e a Estação Itaquaquecetuba, que prejudicará o transporte de 16.926.

Em nota, o Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil disse que a grave vai afetar, em média, de 920 mil a 1 milhão de passageiros.

As linhas 7-Rubi, 10-Turquesa, 11-Coral, 12- Safira e 13-Jade não funcionarão. Elas atendem a região do Alto Tietê, Zona Leste de São Paulo e ABC Paulista. Todos os ferroviários vão aderir à greve geral contra a Reforma da Previdência. O coordenador da entidade, Joel de Almeida, falou que todas as sindicais participarão do ato. "Fizemos uma assembléia e confirmamos que vamos aderir a greve. Todas as centrais sindicais irão à Avenida Paulista", disse. 

Para a CPTM, a greve geral irá prejudicar apenas àqueles que dependem do transporte público, por exemplo, os trens."No momento em que vivemos, esta greve contraria os objetivos do País, ao prejudicar a mobilidade de quem vive em São Paulo e precisa se locomover para trabalhar”, diz o texto, que complementa afirmando que mais de 7 milhões de pessoas serão prejudicadas em toda a Grande São Paulo. Os números se referem aos passageiros que utilizam os trens da companhia e, também, o Metrô.

Previdência

O Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil reafirmou que o protesto vai ao encontro ao descontentamento da Reforma da Previdência, que foi apresentado pelo governo federal.

Radial Transporte

A Radial Transporte, responsável pelo transporte municipal e intermunicipal de Suzano, Poá e Ferraz de Vasconcelos, informou que a orientação é para operar com as linhas normalmente.

LIMINAR NA JUSTIÇA

A Secretaria dos Transportes Metropolitanos, por meio de suas empresas, tomou as medidas judiciais necessárias para garantir o transporte dos passageiros. A pasta considera o objetivo da paralisação ideológico e conta com o bom senso das categorias para que não prejudiquem mais de 7 milhões de trabalhadores que dependem diariamente do Metrô e da CPTM.

Serão prejudicados trabalhadores, estudantes e todas os cidadãos que têm o transporte público como único meio de locomoção. O Metrô e CPTM conseguiram liminar para manter 80% do quadro de servidores nos horários de pico e 60% no restante.


Fernando Barreto - de Suzano