Investimento em melhorias da Índio-Tibiriçá

Trecho da SP-31 entre Suzano e Ribeirão Pires terá R$ 19 milhões

Obras serão realizadas entre os quilômetros 33 e 70, pelo DER em locais específicos da rodovia

28/07/2019 17:00


As obras de recuperação da Rodovia Índio (SP-31), vão se estender do quilômetro 33, em Ouro Fino, Ribeirão Pires, ao quilômetro 70, em Palmeiras, em Suzano. O investimento será de R$ 19,08 milhões por parte do Departamento de Estradas e Rodagem (DER). A rodovia recebe diariamente, pelo menos 19 mil motoristas, segundo do departamento.
 
O anúcio foi feito pelo governo estadual. As obras de revitalização no acesso rodoviário ao município de Ribeirão Pires preveem a recuperação da rodovia, entre os quilômetros 33 e 70.
Segundo informações do governo, as obras de acesso rodoviário a Ribeirão Pires terão custo total de R$ 1,2 milhão. A obra consiste em revitalizar 1,4 quilômetros do canteiro central da Avenida Kaeth Richers, assim como revitalização do entroncamento da Rodovia Índio Tibiriçá até o cruzamento com a Rua Domingos de Oliveira.
 
Para o dono de uma lanchonete em Ouro Fino, Alexandre Aparecido, o principal a se fazer é construir muretas ao longo da via. Segundo ele, a pista do jeito que está, para os pedestres atravessarem é muito complicado, além de para motoristas facilitar retornos ilegais que facilitam acidentes.
 
"Acredito que o principal seja a construção de muretas. São quatro faixas para os pedestres atravessarem, fica complicado. Além de que, sem as muretas, muitos motoristas fazem o retorno em qualquer lugar, e isso causa muitos acidentes, já vi vários", disse Aparecido.
 
Entretanto, ele reitera que há necessidade de construir mais retornos. "Claro que é necessário construir retornos, novas rotatórias. Muito ruim ter que andar muito com o carro para retornar".
 
Para o comerciante de uma padaria em Ouro Fino, Américo Neves, que mora no local há 50 anos, também reitera das opiniões de Aparecido. Para Neves, o principal é evitar acidentes, e sugere a construção de muretas ao longo da via e acostamentos.
 
"O principal é trazer mais segurança aos pedestres e motoristas, então vejo que o mais necessário seja construir a mureta no centro da pista. Além disso, é necessários construir acostamentos também, pois temos muitos ciclistas que andam 'nas faixas adicionais' que existem na via pensando que é acostamento", disso Neves.
 
A atendente de lanchonete em Palmeiras, Elisabete Claro Pereira, tem a mesma opinião de Neves, e reafirma a necessidade de a rodovia ter mais acostamento. Ela comentou sobre um ponto de ônibus próximo, que por estar próximo da pista, atrai acidentes.
 
"Eu penso que precisa de acostamento, tem um ponto de ônibus ali, que é um perigo".
Clemente Nascimento, que trabalha em uma mobiliária em Palmeiras, próximo à divisa com Ouro Fino, também afirmou que é necessário ter mais retornos ao longo da rodovia. Para ele, a sinalização está muito boa, mas acostamentos e rotatórias são fundamentais.
 
"Em questão de sinalização eu acredito que tudo está muito bom, não vejo muitos problemas", disse Nascimento.

Fernando Barreto - de Suzano