Cidades

Para ativista, falta de vacina antirrábica é 'uma barbárie'

ONGs de defesa animal comentam que temem pela saúde pública da população

05/08/2019 22:34


A advogada e ativista em direitos dos animais, Ariana Anari Gil, lamentou a falta de vacina antirrábica na região do Alto Tietê. Segundo ela, a falta do medicamento é 'uma barbárie'. Além de Ariana, ONGs de defesa animal comentam que temem pela saúde pública da população.
 
O DS publicou reportagem na última sexta-feira (02), em que notifica que o Ministério da Saúde não teria vacinas antirrábica para compartilhar com estados, e assim fazer as campanhas para prevenção contra a doença da raiva.
Ainda segundo a reportagem, o governo federal vai priorizar estados do nordeste e aqueles que fazem divisa com a Bolívia.
 
Para Ariana, a situação deve ser vista com temor, pois a falta da vacina para animais, reflete diretamente em questões de saúde pública.
 
"Isso está diretamente ligado à questões de saúde pública, assim como de meio ambiente", comentou a advogada.
Ariana ainda citou o artigo 11 da lei 11.977/2005 de São Paulo. A lei em questão diz que o estado deve se responsabilizar pela vacinação e controle de zoonoses, através de programas permanentes.
 
"Os Municípios do Estado devem manter programas permanentes de controle de zoonoses, através de vacinação e controle de reprodução de cães e gatos, ambos acompanhados de ações educativas para propriedade ou guarda responsável", diz a lei.
 
A advogada sugeriu que quem puder, tem de levar o animal no particular, até que seja resolvido o problema.
A presidente da ONG Pas, Marta Rodrigues, também lamentou a situação e reiterou o que foi dito pela advogada Ariana Gil. "Isso é péssimo para a saúde pública, pois coloca a população em risco, pode ser transmitido para os humanos". 
 
Roberta do Nascimento, que atua em uma ONG independente, chamada 'Protetores de Animais de Suzano', reiterou que "é de temer o que pode acontecer com os animais caso as vacinas não sejam adquiridas. Vacinas antirrábicas são necessárias para o controle da doença, sem ela não sei o que pode acontecer".

Fernando Barreto - de Suzano