Editorial

Greve dos ferroviários

04/06/2015 08:00


A greve dos ferroviários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) prejudicou mais de 900 mil passageiros das linhas que passam pelas cidades da região e Zona Leste. Mas, já na tarde de ontem, os ferroviários de São Paulo decidiram, em assembleia suspender a greve nas Linhas 7-Rubi e 10-Turquesa da CPTM até a próxima mesa de negociações no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), marcada para o próximo dia 11. Eles, porém, permanecem em estado de greve. Mais tarde, as linhas 11-Coral e 12-Safira também suspenderam a paralisação. A CPTM fez duas propostas aos funcionários: aumento de 7,72% nos salários e 10% nos benefícios ou reajuste de 8,25% sobre o salário e benefícios. A categoria pede reajuste salarial de 9,29% A greve é legítima, no entanto, é evidente que o prejuízo é grande. Serve, por outro lado, como uma alerta para a CPTM que vem tentando melhorar o sistema ferroviário. Novas estações de trens estão sendo construídas nas cidades da região, como em Suzano, Poá e Ferraz de Vasconcelos. A companhia considerou irresponsável a decisão dos sindicatos dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central, que representa os empregados das linhas 11-Coral (Luz-Guaianazes-Estudantes) e 12-Safira (Brás-Calmon Viana) e dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo, representante das linhas 7-Rubi (Luz-Francisco Morato-Jundiaí) e 10-Turquesa (Brás-Rio Grande da Serra) de paralisar a prestação dos serviços ontem. É bem verdade que a decisão vai contra a recomendação da Justiça de continuar as negociações sem paralisação dos serviços até o próximo dia 11 de junho, quando haverá nova reunião no TRT - Tribunal Regional do Trabalho. Na reunião de conciliação, realizada nesta semana, na sede do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), a CPTM fez duas novas propostas. Mas, neste momento, é importante que sejam mantidas conquistas históricas para garantir o bom funcionamento do trabalho dos ferroviários e o atendimento à população que depende do transporte público para se locomover do trabalho para casa e vice-versa.