Cidades

Moradores da Estrada do Caulim reclamam de problemas na via

Buracos, lama, falta de iluminação e de esgoto incomodam moradores da via e de bairros próximos

23/09/2020 22:30


Moradores do entorno da Estrada do Caulim, na região de Palmeiras, têm sofrido com a situação das ruas. Buracos, muita lama, pouca iluminação e falta de esgoto são alguns dos problemas enfrentados, sobretudo na Vila Nova das Lavras.
 
As dificuldades de locomoção no bairro sempre foram um problema para os moradores. 
 
Há relatos de acidentes provocados pela lama, impossibilidade de deslocamento de pessoas com deficiência e, em dias chuvosos normais (sem pandemia), as crianças precisam caminhar cerca de 20 minutos para conseguir pegar o transporte escolar, já que o mesmo não entra nos bairros mais distantes da Rodovia Índio Tibiriçá (SP-31).
 
Para piorar ainda mais a situação, os relatos apontam que o ônibus da Radial – que antes, chegava até a Rua Caminho Um – parou de ir no local, dificultando ainda mais a vida de quem mora naquela via.
 
O bairro sofre com tantos problemas que o DS teve dificuldades para sair do local. Seguindo no sentido Índio Tibiriçá da Estrada do Caulim, o carro da reportagem foi parado em diversos pontos da via por pessoas indignadas com a situação, pedindo por ajuda.
 
“O ponto final do ônibus do Caulim é aqui (Rua Caminho Um), mas agora não tem acesso, e ele está parando no meio do caminho. Tem cadeirantes e pessoas que necessitam do transporte”, lamentou a autônoma Leticia da Costa.
 
Segundo ela, a Prefeitura realizou, na semana passada, uma ação de limpeza no cruzamento da Estrada do Caulim com a Rua Caminho Um, mas não foi suficiente para resolver os problemas dos buracos.
 
Assim como Letícia, a autônoma Sthefannie Cristina, 19, diz que vive um verdadeiro “descaso” morando no local. “Está muito ruim. Há dois dias estamos sem transporte. Tem crianças e pessoas que vão trabalhar e precisam descer a rua pelo barro”, disse. “Quase não temos iluminação, nem na Rua 23, onde moro. Entra político, sai político e ninguém coloca asfalto aqui. Não tem esgoto, e a gente paga imposto. Só tem poço e fossa”, diz o balconista Marcio Benedito Gaspar, 41.
“O que falta é manutenção a cada cinco meses, quatro meses ou quando der algum problema” conta o operador de máquinas Anderson da Silva, 28.
 
Na Rua Maria Madalena de Lima Silva, que também cruza com a Estrada do Caulim, os moradores não conseguem sequer subir a via porque a ladeira cheia de lama atrapalha a passagem, tanto de pedestres quanto de veículos. 
 
Há relatos, ainda, que a Prefeitura tem cobrado R$ 75 para limpar as fossas das casas. 
 
Respostas
 
Em nota, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) informou que o local citado se encontra em Área de Proteção e Recuperação de Mananciais e, de acordo com o Plano Municipal de Saneamento da Prefeitura de Suzano, tem previsão de ser atendido com saneamento rural, por meio de soluções individuais de esgotamento.
 
Já a Prefeitura de Suzano informou que a coleta de esgoto é de responsabilidade da Sabesp. Em locais onde ainda não há o serviço e o imóvel conta com fossa sanitária, a administração pode fazer a limpeza, porém mediante a cobrança de taxa (assim como diversos outros serviços individualizados). Contudo, a cobrança pode ser dispensada caso o munícipe solicite a isenção, mediante comprovação da situação socioeconômica. Para saber informações de quais os serviços disponíveis, as taxas correspondentes e outras informações, basta ligar na sede da secretaria: 4747-8744.
 
A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos vem fazendo a manutenção naquela região e o serviço já foi iniciado na rua Maria Madalena de Lima, mas o trabalho foi interrompido temporariamente pela chuva dos últimos dois dias. A questão será resolvida em breve, inclusive atendendo o pedido dos moradores que já foi feito na Ouvidoria Geral do Município.
 
Por fim, no trecho já asfaltado, que compreende o intervalo entre a linha férrea e o rio, passa periodicamente por manutenção, com a intervenção da Operação Tapa-Buracos quando necessário, porque o trecho tem deficiência em drenagem (sem galeria de águas pluviais, guias e sarjetas). Uma nova manutenção está prevista para outubro. 
 
Sobre os ônibus da Radial, a Secretaria de Transportes e Mobilidade Urbana de Suzano informou que está acompanhando o caso do ponto final de ônibus no bairro do Caulim. Devido às recentes chuvas, algumas viagens do ônibus citado pela matéria sofreram alterações em seu trajeto na parte final. O atendimento será normalizado assim que as condições da via permitirem o cumprimento integral do de seu itinerário.
 
Deputado cobra do Estado implantação de água e esgoto na região do bairro
 
O deputado Estevam Galvão (DEM) realizou na tarde de ontem audiência com o vice-governador do Estado, Rodrigo Garcia, para solicitar a instalação de rede de água e esgoto na região do Caulim, em Suzano. 

O investimento, conforme projeto apresentado pelo deputado, beneficiará os moradores do Jardim das Lavras, Chácaras Casemiro, Parque Cerejeiras, Parque Palmeiras, Estância São Luiz, Jardim das Lavras II e Chácara das Hortências.
“É um investimento necessário e beneficiará centenas de famílias daquela região com abastecimento de água e esgotamento sanitária”, adiantou Estevam. 

Ciente da necessidade, o vice-governador já solicitou que o diretor da Sabesp, Ricardo Borsari, analise o pleito. “Ele nos receberá em audiência para tratar deste assunto”, afirmou o deputado. 

A proposta inclui abastecimento de água em 23 quilômetros de extensão, totalizando 855 ligações. Já o esgoto deverá atender uma área de 24 quilômetros, com estações de tratamento.

“Estamos batalhando por mais este investimento para a região de Palmeiras e estou bastante otimista quando a liberação de recursos para a obra. Vamos defender este projeto junto à diretoria da Sabesp”, reforçou o deputado. 
 

Daniel Marques - de Suzano