Editorial

Auxílio emergencial

28/01/2021 05:00


O auxílio emergencial aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pela Presidência da República foi um benefício de R$ 600 para garantir uma renda mínima aos brasileiros em situação mais vulnerável durante a pandemia do Covid-19 (novo coronavírus), já que muitas atividades econômicas foram gravemente afetadas pela crise.
Ontem, o governo federal informou que vai pagar, na próxima quinta-feira (28), mais de R$ 248 milhões de auxílio emergencial para 196 mil pessoas. A portaria do Ministério da Cidadania foi publicada no Diário Oficial da União, após análise das contestações e revisões decorrentes de atualizações de dados governamentais.
O grupo de beneficiários inclui cerca de 191 mil pessoas que contestaram a suspensão do benefício no site da Dataprev, entre 7 e 16 de novembro e entre 13 e 31 de dezembro de 2020, além de 5 mil pessoas que tiveram os pagamentos reavaliados em janeiro de 2021. Elas receberão de uma só vez todas as parcelas a que têm direito.
O auxílio emergencial terminou em 29 de dezembro de 2020, e muitos brasileiros ficaram sem saber o que fazer sem o benefício. O calendário de pagamentos se encerrou em dezembro, porém, os saques continuaram até o dia 27 de janeiro. O governo federal já tinha avisado que não iria prorrogar o auxílio emergencial em 2021.
De acordo com o ministério, entre as 196 mil pessoas, há 8,3 mil que receberão a segunda, a terceira, a quarta e a quinta parcelas do auxílio emergencial. Outras 40,9 mil pessoas receberão as três últimas parcelas. Uma terceira faixa, de quase 68,1 mil cidadãos, receberá a quarta e a quinta parcelas. Por último, 78,3 mil vão embolsar somente a quinta parcela.
Os recursos serão depositados na poupança social digital da Caixa e já estarão disponíveis no dia 28, tanto para movimentação por meio do aplicativo Caixa Tem, quanto para saques e transferências para outros bancos.
Nesta semana, o ministro da Economia, Paulo Guedes, informou que o auxílio emergencial em 2021 pode voltar se a pandemia da Covid-19 não parar de avançar mesmo com a vacinação da população. 
Foi dessa forma que indicou a volta dos pagamentos para os beneficiários do programa de ajuda emergencial.
É importante que o governo federal venha, de alguma forma, atender milhares de pessoas que passam fome e tiveram a situação piorada por conta da pandemia. Muitos perderam seus empregos e estão sem renda para comprar alimentos.