Cidades

Ao menos cinco pessoas tomaram doses trocadas de vacinas contra Covid

Casos registrados em Mogi das Cruzes e Poá já foram notificados ao Ministério da Saúde

05/05/2021 05:00


O Alto Tietê tem, ao menos, cinco casos de pessoas que não receberam as duas doses da mesma vacina no combate à Covid-19. Os imunizantes foram trocados. Ou seja, receberam a primeira dose de um fabricante, e a segunda de outro. 
 
De acordo com o protocolo nacional do Ministério da Saúde, as pessoas devem receber a vacina disponível no posto no dia da aplicação da primeira dose. Entretanto, a determinação é que o mesmo fabricante seja mantido na segunda aplicação, para que a imunização seja completa. Os casos foram registrados em Mogi das Cruzes e Poá. O DS teve acesso a um caso em Ferraz, mas até o final desta reportagem a Prefeitura não havia encaminhado resposta ao jornal.
 
De acordo com a Secretaria de Saúde de Mogi, onde três casos foram apontados, o ocorrido já foi notificado para o Ministério da Saúde, que fez as orientações sobre o procedimento que precisa ser adotado. No processo, é feito o acompanhamento pela unidade de saúde com supervisão da Vigilância Epidemiológica. 
 
No município, as três pessoas que receberam a segunda aplicação de fabricante diferente da primeira, terá a segunda dose anulada. Com isso, será feita uma nova aplicação de segunda dose em uma nova data agendada. 
 
A fim de evitar que mais casos como esse ocorram, a Prefeitura de Mogi informou que são adotados todos os protocolos e cuidados necessários, desde a capacitação dos profissionais até a orientação dos munícipes e a anotação no comprovante de vacinação em primeira dose, além da ampla divulgação dos agendamentos da segunda dose por meio de canais oficiais. Também destacou a importância das pessoas apresentarem os comprovantes originais no momento da aplicação. 
 
Em Poá, onde um caso foi registrado, o paciente recebeu a primeira dose com a AstraZeneca, mas acabou indo ao posto de vacinação em data divergente a agendada para a segunda dose. Após ter a aplicação da segunda dose com a CoronaVac, o paciente foi orientado conforme instrução técnica do Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo (CVE), que anula a aplicação da dose errada. 
 
De acordo com o Departamento de Vigilância em Saúde de Poá, o paciente teve que retornar na data agendada para a segunda dose da AstraZeneca, que possui um aprazamento com intervalo maior. Segundo o órgão, houve a imunização com segurança respeitando os 14 dias necessários para aplicação de imunobiológicos distintos. 
 
Assim como em Mogi, protocolos foram reforçados para garantir que o erro não aconteça novamente. No momento da aplicação, é feita a conferência de caderneta de vacinação, verificação no sistema VaciVida, além dos imunizantes, que ficam em pontos estratégicos distantes no posto de vacinação. 
 
Em consulta com outras três cidades do Alto Tietê que possuem maior índice populacional, não houveram registros de doses trocadas. De acordo com a Secretaria de Saúde de Suzano, o protocolo adotado para evitar esse risco é não utilizar mais de um tipo de imunizante no dia em que há vacinação. 
 
Itaquaquecetuba também não registrou casos de pessoas que receberam as doses de marcas diferentes. Mas, de acordo com o Executivo, se isso acontecer, a Vigilância Epidemiológica do município está orientada a informar imediatamente o grupo de Vigilância Epidemiológica estadual, que é quem regulamenta as ações do município. 

Matheus Cruz - de Suzano