Cidades

DER busca concluir licitação de lombadas eletrônicas na Índio-Tibiriçá

Equipamentos estão desativados desde o ano passado

13/06/2021 20:00


O Departamento de Estradas e Rodagem (DER) busca concluir licitação de lombadas eletrônicas na Rodovia Índio-Tibiriçá (SP-31). Os equipamentos estão desativados desde o ano passado. 
Segundo a concessionária, “todas as concorrências públicas seguem os prazos regimentais estipulados pela Lei de Licitação”. O DER reforça que a fiscalização na rodovia é realizada pela Polícia Militar Rodoviária (PMRv), através de radares portáteis e que “respeitar os limites de velocidade é dever de todos”. 
 
Só no trecho de Suzano, foram 8 acidentes registrados no Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo (Infosiga). A rodovia liga o município a região do ABC Paulista. 
 
Para os motoristas, a ausência das lombadas eletrônicas não traz diferença em alguns trechos, como no Raffo. Neste ponto há lombada e faixa de pedestre, que obriga os condutores a reduzirem a velocidade. Justamente neste trecho havia um equipamento instalado. “Aqui não passa muito carro em alta velocidade. Tem faixa e tem lombada. Talvez um pouco mais para frente, onde eles aceleram mais”, opinou Guilherme Gomes Sampaio. 
 
O empresário Renato Nunes trabalha em um restaurante e também entende não haver necessidade da instalação dos equipamentos. Para ele, o horário em que o empresário acessa a rodovia é perigoso. “É tudo escuro. Nunca fui assaltado, mas estamos sujeitos a tudo. Reduzir aqui é perigoso”. 
 
Além disso, ele conta que muitos motoristas reduzem a velocidade no trecho e fala que a medida vai da consciência de cada um. “Quem costuma fazer esse percurso, já reduz a velocidade. Vai muito da consciência de cada um”, conta. 
 
Maria da Conceição estava andando na calçada, na beira da via, com sua filha. Ela conta que os motoristas sempre esperaram ela atravessar. No entanto, muitos não respeitam e por isso vê como necessária a instalação das lombadas eletrônicas. “Tem bastante gente ali no ponto e eles não param, principalmente quem vem do Centro de Suzano. Seria bom ter esses equipamentos de volta”, finalizou. 

Thiago Caetano - de Suzano