Editorial

Preço do gás de cozinha

19/06/2021 05:00


Desde segunda-feira, o gás de cozinha está mais caro. O preço médio de GLP sofreu reajuste de 5,9% nas distribuidoras, passando para R$ 3,40 por quilograma (kg), o que representa aumento médio de R$ 0,19 por kg. A Petrobras anunciou o aumento.
Antes deste último aumento, o botijão de 13 kg já podia ser encontrado por mais de R$ 100 na cidade de São Paulo. Na região Norte da capital, por exemplo, o preço chegava a R$ 113. Em maio, o preço do gás de cozinha subiu 1,24%, em média, em todo o Brasil, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Já o gás encanado teve aumento de 4,58%.
Nesta semana, o DS trouxe reportagem mostrando que o preço do gás liquefeito de petróleo (Glp) voltou a subir em Suzano e se aproxima de R$ 100. 
O DS consultou algumas revendedoras da cidade. A maioria das revendedoras consultadas fez o repasse dos preços. 
Em uma das revendedoras, na Rua General Francisco Glicério, no Centro de Suzano, o preço para a retirada é de R$ 91,00. Para entrega, o botijão é vendido por R$ 100,00. O aumento também ocorreu em outra revendedora da Vila Amorim. Por lá, o preço para a entrega é de R$ 92,00 no dinheiro, e R$ 95,00 no cartão. Para a retirada, o preço é de R$ 82,00 no dinheiro, e R$ 85,00 no cartão. 
Das revendedoras consultadas, apenas uma, localizada no Jardim Revista, ainda não havia feito o repasse até a última terça-feira. No entanto, o preço deve aumentar. Por lá, o preço para entrega é de R$ 85,00. Já a retirada é de R$ 80,00. 
Segundo dados Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), divulgados no último dia 8 de junho, o preço do GLP varia entre R$ 75,00 a R$ 87,99 em Suzano. Já em Mogi das Cruzes, o botijão é vendido entre R$ 78,00 a R$ 90,00, seguido por Itaquaquecetuba (R$ 78,99 a 84,99) e Poá (R$ 77,99 a R$ 90,00). 
O gás de cozinha ou encanado é um derivado do petróleo. Portanto, o preço do combustível fóssil é o principal fator para a formação de preço do botijão. E é aí que a coisa começa a ficar complicada. 
O barril do petróleo Brent era negociado a US$ 72,40 nesta quinta-feira, muito próximo do patamar pré-pandemia –em 20 de maio de 2019, a cotação alcançou US$ 72,83. No período mais agudo da recente crise econômica, o preço do barril do Brent chegou a afundar para US$ 22,74. 
Portanto, se o petróleo está mais caro, o gás na cozinha também ficará. 
O problema desse aumento é a garantia de maior dificuldade para as famílias carentes que não conseguem comprar o produto. É importante que o governo venha atender e ajudar quem precisa e não consegue dispor do produto.