Editorial

Os resultados da indústria

24/06/2021 05:00


A indústria ainda corre para tentar se manter com a produção em dia em tempos de pandemia da Covid-19.
A situação ainda é muito difícil. Ontem, a Sondagem Industrial, pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), apontou para resultados positivos em maio de 2021, após a queda na produção em abril. O índice ficou em 52,8 pontos e é o melhor resultado para o mês desde 2017. O índice varia de 0 a 100, com linha de corte em 50 pontos, os dados acima desse valor indicam crescimento e abaixo, queda na comparação com o mês anterior.
Os resultados foram mostrados em reportagem da Agência Brasil. Além disso, o índice de evolução do número de empregados subiu para 51,1 pontos. De acordo com a CNI, já são 11 meses seguidos sem que o índice registre queda do emprego na indústria.
A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) alcançou 70% em maio de 2021, após crescimento de dois pontos percentuais em relação a abril. A UCI se encontra 15 pontos percentuais acima da registrada em maio de 2020, primeiro mês após a crise da primeira onda de Covid-19. O percentual é o maior para o mês desde 2014, quando alcançou 71%.
É importante que essa recuperação, mostrado em pesquisa em nível nacional, consiga atingir também o Alto Tietê. A região tem milhares de empresas, emprega uma grande quantidade de trabalhadores e, por isso, busca se fortalecer para tentar manter a produção em tempos de pandemia.
O índice de estoque efetivo em relação ao planejado registrou 49,2 pontos em maio, um recuo de 0,4 ponto na comparação com abril. Ainda assim, o índice permanece relativamente próximo à linha de 50 pontos, o que, para a CNI, indica que os estoques estão próximos ao planejado pelas empresas. 
De acordo com a pesquisa, o otimismo dos empresários industriais em relação aos próximos seis meses voltou a crescer em junho, embora ainda não tenha alcançado o pico observado em setembro de 2020. O índice de expectativa de demanda está em 59,9, aumento de 1,2 ponto em relação a maio e 11,2 pontos superior ao registrado em junho de 2020. Esse é o maior nível do indicador em 2021. Já o otimismo em relação à exportação permaneceu praticamente constante em relação ao mês anterior: alta de 0,1 ponto, segundo informações da Agência Brasil.
A intenção de investimento aumentou em relação a maio e segue acima da média histórica.