Editorial

Medidas de restrições

08/07/2021 05:00


As medidas de restrições seguem no Estado, mas com novas flexibilizações.
A partir do anúncio feito nesta quarta-feira (7) pelo governador João Doria (PSDB) há mudanças.
O Estado anunciou a ampliação em duas horas do horário de funcionamento do comércio a partir de sexta-feira, 9. E a capacidade máxima dos estabelecimentos será estendida para 60%. Os estabelecimentos comerciais poderão funcionar até as 23 horas - até agora, era até as 21 horas. O pedido de alimentos em restaurantes, no entanto, deve se encerrar às 22 horas. A flexibilização nas regras para o comércio vale até o dia 31 de julho. 
Nesta quarta-feira, o governo de São Paulo publicou também decreto que retira o limite máximo de alunos nas escolas da educação básica. Até agora, valia a regra de até 35% dos estudantes. A volta do ensino superior presencial também foi liberada. As faculdades deverão seguir os limites máximos relativos ao comércio, ou seja, poderão receber alunos com limitação de 60% da capacidade. Já as aulas práticas no ensino superior poderão funcionar sem restrição de alunos. As regras para o ensino superior, segundo o secretário da Educação, Rossieli Soares, valem a partir do dia 2 de agosto. 
O governo informou ainda que vai realizar 30 eventos-teste a partir do dia 17 de julho. Os protocolos para a realização de eventos com público incluem vacinação, testagem e uso de máscaras. Segundo a secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, Patrícia Ellen, haverá monitoramento para acompanhar o impacto em relação ao contágio. 
O primeiro evento-teste será a Expo Retomada em Santos. Em novembro, haverá o GP São Paulo de Fórmula 1 e, em agosto, uma corrida simbólica. Também estão previstos eventos noturnos, com música ao vivo. 
Os prefeitos vão seguir as novas regras, anunciadas ontem, mas mantendo as precauções, dando orientações à população, no sentido de reduzir os casos de contaminação e mortes.
A expectativa do governo é de que a entrega de novas doses da vacina Coronavac prometidas ao Ministério da Saúde vai possibilitar a antecipação em 30 dias. A Coronavac é produzida no Instituto Butantan. O total de 100 milhões de doses deveriam ser entregues ao Ministério da Saúde no fim de setembro.