Editorial

Igrejas acolhedoras

03/08/2021 05:00


Na semana passada, o DS trouxe reportagem mostrando o pedido feito pelo bispo Dom Pedro Luiz Stringhini sobre a necessidade da abertura das paróquias para acolher quem precisa. 
Uma forma de recepcionar os desabrigados, sobretudo neste frio intenso dos últimos dias.
O pedido segue um conselho importante do Papa Francisco, de que “Acolher o outro é acolher a Deus em pessoa”.
No processo de acolhimento, especificamente na vida paroquial, a pastoral da acolhida se apresenta como uma estratégia que possibilita o contato direto com as pessoas que, quando são fortalecidas na fé, assumem um papel ativo na Igreja.
Promover esse espírito de integração e a fraternidade, suscitando o sentido de bem-estar de todas as pessoas na comunidade, “tendo sempre como modelo inspirador a pessoa de Jesus Cristo”, afirma a igreja. 
Na semana passada, o DS trouxe reportagem mostrando as opiniões do bispo. 
Ele pediu para que os padres e entidades que pertencem à unidade territorial "abram as portas" para oferecer abrigo às pessoas que estão nas ruas, em razão do intenso frio que está e permanecerá sobre a região nos próximos dias. 
A região conta com ao menos 87 paróquias e o pedido foi direcionado a todos os padres e membros da Diocese.
Não há dúvida de que a igreja deve ser acolhedora. 
Uma forma de escape para quem precisa. Agora neste momento difícil de muito frio, milhares de pessoas seguem sem um lar para se abrigar.
Na mensagem, o bispo também agradeceu a todos os que já trabalham na Diocese em favor dos desabrigados. 
A própria igreja afirma que o acolhimento está intimamente ligado ao nosso novo DNA como pessoas nascidas em Cristo. 
As marcas do amor, da misericórdia, do perdão, da bondade, da prática do bem ao próximo precisam necessariamente fazer parte do DNA da igreja de Cristo.
Desta forma, a igreja firma também seu compromisso social com as pessoas mais carentes.
“Acolher é também receber o outro como ele é, admiti-lo no espaço e permitir que se sinta à vontade. É dar crédito àquele que chega, quer colaborar, oferecer algo de si; então, a missão como cristãos é acolher da melhor maneira possível”, afirmam especialistas.
Portanto, a iniciativa da Diocese de Mogi das Cruzes é, sem dúvida, muito importante. Vai garantir o atendimento a milhares de pessoas que precisam de ajuda neste período de quedas de temperaturas acentuadas.