Editorial

Vacinas e ocupação de leitos

16/09/2021 05:00


O DS acompanha, semanalmente, a taxa de ocupação de leitos. Tem presenciado a queda das internações à medida em que a vacinação avança. 
Só para se ter uma ideia, no Alto Tietê, a maioria das cidades alcança mais de 70% da sua população vacinada com pelo menos uma dose da vacina contra a Covid-19. Até a manhã de segunda-feira (13), por exemplo, as dez cidades aplicaram a primeira dose ou a vacina de dose única em 1.179.553 pessoas. Os dados são atualizados diariamente pelo Vacinômetro. 
Os números contribuem, de maneira direta, para a redução da taxa de ocupação.
Conforme reportagem do DS, publicada na edição desta quarta-feira (15), Suzano voltou a zerar o índice de ocupação dos leitos de Covid-19 na segunda-feira (13). O avanço na vacinação vem reduzindo a taxa.
De acordo com a Secretaria de Saúde da cidade, todas as 33 vagas de internação da rede municipal de saúde estão disponíveis. 
Durante o mês de agosto, a cidade também chegou a registrar o mesmo percentual, entretanto o índice voltou a subir alguns dias depois. 
Na quarta-feira da semana passada (8), por exemplo, a taxa de ocupação era de 3,22%, com apenas um paciente internado. 
Atualmente, a cidade conta com 31 leitos no Pronto-Socorro Municipal, sendo 19 de enfermaria e 12 semi-intensivos com suporte ventilatório. Além da unidade, a Santa Casa de Misericórdia possui 2 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivamente para gestantes. 
A importância da taxa de ocupação mostra que menos pessoas estão tendo impactos causados pela Covid-19.
Mas é importante não “baixar a guarda”. As medidas sanitárias devem continuar sendo tomadas.
A pandemia ainda não passou.
Com a redução do número de internações pelo vírus e o avanço da vacinação contra a Covid-19 na cidade, o número de leitos disponíveis para atender pacientes diagnosticados com o vírus também foi reduzido para 33, em Suzano, só para exemplificar.
De acordo com a Secretaria de Saúde, o Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus de Suzano já vinha analisando o cenário em julho e em agosto e constatou que a quantidade de internações em leitos de UTI, naquele momento, nunca superava duas pessoas. 
Além da queda na demanda, a pasta lembrou que o sistema Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde (Cross), do governo estadual, já estava desempenhando papel fundamental no acolhimento desses pacientes em três unidades da região: Hospital Dr. Arnaldo Pezzuti Cavalcanti (Mogi das Cruzes), Hospital Dr. Osíris Florindo Coelho (Ferraz de Vasconcelos) e Hospital Auxiliar das Clínicas (Suzano).