Colunista

Você exige demais das pessoas? Cuidado, pode perdê-las

07/07/2015 08:00


Uma garota segurava em suas mãos duas maçãs. A mãe entrou na cozinha e fez pedido com voz doce e belo sorriso: "Querida, você poderia dar uma de suas maçãs para mamãe?" A menina levanta os olhos; fica pensativa por alguns segundos e, subitamente, morde uma das maçãs e logo em seguida a outra. A mãe se entristece com o comportamento da menina e seu bonito sorriso materno se esvai pelo canto da boca. Mesma assim, tenta não mostrar decepção com o comportamento da pequena. Ato contínuo, a filha oferta uma das maçãs mordidas. A mãe pega a fruta um tanto constrangida. A menina, com os olhos arregalados, explica: "É essa a mais doce mamãe, você merece pela paciência que tem comigo". Amigo leitor, julgar o comportamento das pessoas é sempre complicado e pode acabar em grandes desentendimentos, principalmente se foi gerada expectativa de benefício ou reciprocidade. Muitas vezes esperamos uma frase amorosa, um presente especial, um beijo ou abraço; e desejo não concretizado gera frustração. O escritor Júlio Aukay nos brindou com este pensamento: "Amar sem esperar nada de ninguém é uma virtude! Ter a retribuição pelas suas próprias atitudes é recompensa das lutas; Aceitar à sua maneira, sem questionar e ainda agradecer pelo tempo certo de acontecer... É ter paciência e muita fé pela sua própria esperança". Pior do que esperar retribuição no tamanho que se imagina, é julgar comportamento alheio insatisfatório. A isso dá-se o nome de julgamento, e o pior, sem direito a defesa, o que pode originar desavenças entre amigos e parentes, além de rancor e ódio, sentimentos negativos, que, por vezes, acompanham as pessoas por toda a vida. Se conversar com as partes envolvidas, ouvirá versões completamente distintas e antagônicas. Nesse embate não há ganhadores. Todos perdem; geralmente por exigirem demais e fazerem de menos.

Jorge Lordello