Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quarta 13 de Dezembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 12/12/2017
mrv

Após 10 anos, volume de salários recua

26 JUL 2015 - 08h00

O valor total de salários pagos aos trabalhadores formais do País caiu 0,32% nos primeiros quatro meses deste ano em relação a igual período de 2014, totalizando R$ 375,7 bilhões. É a primeira redução após uma década de crescimento anual consecutivo. Para analistas, a queda é resultado do aumento do desemprego, da inflação alta e da substituição de salários maiores por menores.

De 2004 para cá, período que coincide com o boom da classe média - quando cerca de 35 milhões de brasileiros passaram a integrar a Classe C -, o aumento anual do total pago aos trabalhadores formais variou de 3,7% a 11,6%. A curva crescente se inverteu e, dos quatro primeiros meses deste ano, em três os resultados foram negativos na comparação anual.

O montante pago em todo o País tem como base dados da Caixa Econômica Federal para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que mensalmente recolhe 8% dos salários de quem tem registro em carteira de trabalho. Os valores foram corrigidos pela inflação do IPCA e dessazonalizados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

As primeiras quedas neste ano ocorrem após resultados positivos consecutivos durante 134 meses - desde novembro de 2003, quando foram desembolsados R$ 42,6 bilhões em folhas de pagamento, até dezembro do ano passado, quando o montante atingiu R$ 95,3 bilhões.

Em janeiro ocorreu a primeira reversão de 0,9% na variação de 12 meses. Em fevereiro o valor ficou 2,4% positivo, mas em março voltou a cair 1%. A queda se repetiu em abril, com saldo 1,6% menor que o de um ano atrás, de R$ 92,7 bilhões.

De acordo com a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, o índice de desemprego em maio ficou em 8,1%, o maior da série iniciada em 2012. A amostra, que coleta dados em domicílios de trabalhadores formais e informais, mostra também que houve queda de 0,4% no rendimento médio real do trabalhador, que ficou em R$ 1.863 no período.

Já a Pesquisa Mensal de Emprego (PME) apresentou recuo de 2,9% nos rendimentos de junho de trabalhadores com e sem carteira ante o mesmo mês de 2014.

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias