Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Terça 21 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/11/2017
mrv

Economia começa 2015 com recuo de 0,11%, diz BC

17 MAR 2015 - 08h00

Na semana em que será conhecido o resultado oficial do Produto Interno Bruto (PIB) do ano passado, o Banco Central (BC) já dá as primeiras pistas de que a economia brasileira não começou bem 2015. O indicador da instituição apontou ontem para recuo de 0,11% em janeiro sobre dezembro, já descontados os efeitos sazonais - como número diferente de feriados, por exemplo. É o pior começo de ano desde 2012, quando houve uma retração da atividade de 1,34% nessa mesma base de comparação.

A grande diferença entre o que aconteceu três anos atrás e agora é a base de comparação. Em 2012, o recuo se deu sobre um período bastante forte, enquanto a queda do Índice de Atividade do Banco Central (IBC-Br) de janeiro deste ano já é a segunda consecutiva. Em dezembro, o indicador havia recuado 0,57% sobre novembro. Em 2014, o IBC-Br subiu 1,11% em janeiro ante dezembro e, em 2013, avançou 0,63% em igual período.

O indicador divulgado pelo BC serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo do tempo. Por causa de seu vaivém e das revisões que são feitas pelo BC todos os meses, os especialistas preferem considerar o comportamento do IBC-Br acumulado em períodos mais longos. Desta forma, o índice fica até mais próximo do resultado oficial do PIB - o de 2014 é aguardado para sexta-feira. O IBC-Br do ano, atualizado ontem, ficou em -0,13%.

Em 12 meses, o índice registra baixa de 0,4%. Pelos cálculos da equipe de economistas da Rosenberg Consultores Associados, esta é a maior baixa em um ano desde dezembro de 2009, quando registrou retração de 1,25%. Com o movimento do primeiro mês do ano, o IBC-Br chegou a 145,49 pontos na série ajustada sazonalmente e a 138,08 pontos na série observada, em que não há descontos. Neste caso, é o patamar mais baixo desde fevereiro de 2013, quando o indicador estava em 134,14 pontos.

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias