Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Segunda 20 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/11/2017
mrv

Emprego industrial atinge em março menor nível

20 MAI 2015 - 08h00

O menor dinamismo da produção industrial levou o emprego na atividade, em março, ao menor patamar de toda a série histórica, iniciada em dezembro de 2000 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O quadro é mais desfavorável até do que durante a crise de 2008/2009, quando a queda brusca na produção havia deixado os trabalhadores na indústria na pior situação até então."A produção precisa de uma sequência consistente de taxas negativas para impactar o emprego, o que vemos agora", diz Rodrigo Lobo, técnico da Coordenação de Indústria do IBGE.

Em março, o emprego na indústria recuou 5,1% ante março de 2014, o recuo mais intenso desde outubro de 2009 e o 42º consecutivo neste tipo de confronto. São três anos e meio de retração no número de postos de trabalho. A produção, por sua vez, acumulou em março a 13ª queda seguida ante igual mês do ano anterior, algo inédito na série. "A sequência de queda na produção, ainda que (a taxa seja) menos intensa, faz com que o emprego esteja pior hoje. Os empresários não vislumbram expectativa de recuperação da produção no curto prazo. Com isso, queda do emprego se perpetua", explicou Lobo.

A redução no contingente de trabalhadores afeta o número de horas pagas e o valor real da folha de pagamento, que também colecionam recuos. O número de horas cai há 22 meses e atingiu em março o menor nível da série, iniciada em 2000. Já o valor da folha diminui há dez meses, sempre na comparação com igual período do ano anterior.

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias