Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quarta 30 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 30/09/2020

Estado de SP lidera participação em empréstimos

12 DEZ 2015 - 07h00

Em quatro anos, São Paulo se manteve como a Unidade da Federação (UF) que mais acessa financiamentos, mas perdeu participação de 2011 a 2014. Já o Rio de Janeiro apresentou trajetória oposta no período. A avaliação consta do Relatório de Economia Bancária e Crédito de 2014, divulgado ontem, pelo Banco Central. Conforme o documento, a participação relativa paulista no total de empréstimos diminuiu continuamente, passando de 35,4%, em 2011, para 32,9%, em 2014.

Em contrapartida, a segunda maior UF em participação no total de empréstimos, apresentou trajetória oposta, aumentando a participação ao longo do período, de 14,3%, em 2011, para 16,7%, em 2014.

"Avaliando-se a relação crédito sobre PIB estadual, Santa Catarina foi a unidade da federação com o maior valor, em 2012 (64,1%), seguido de Mato Grosso (60,2%)", compara o documento. Rio, Minas Gerais e São Paulo, obtiveram a 8ª, 10ª e 14ª posição, respectivamente, com 53,4%, 50,6% e 49,2%.

O Relatório também informou que, avaliando-se o número de clientes por UF e comparando com o saldo, é possível verificar que a região Sudeste é a que apresenta o maior empréstimo médio por cliente (R$ 513.014, em 2014).

"Tal comportamento tem por justificativa o nível médio de empréstimos verificado no estado do Rio de Janeiro (R$ 952.755), quase o dobro do observado nessa região e, praticamente, 2,3 vezes maior do que a média nacional, decorrente da concentração de grandes empresas, principalmente do ramo de energia", considerou o documento.

A evolução do saldo médio por cliente nas diferentes regiões apresentou, conforme o relatório, um paralelismo, com exceção da região Centro-Oeste, que apresentou, em 2013 e 2014, crescimento mais acentuado do que o observado nas demais regiões, devido também à concentração de "vultosos empréstimos" para empresas do ramo de energia e telecomunicações.

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias