Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 05 de dezembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 04/12/2020

FMI: Brasil vive pior contração desde crise da América Latina dos Anos 1980

24 JAN 2016 - 07h00

A resolução da incerteza no cenário político e econômico é essencial para que o Brasil eventualmente retorne ao crescimento positivo, afirmou o diretor do Departamento para o Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), Alejandro Werner, em um artigo enviado à imprensa. O Brasil enfrenta em 2015/2016 uma contração da atividade somente vista na época da crise da dívida externa da América Latina, em 1981/1983.

"Uma combinação de fragilidades macroeconômicas decorrentes do lento ajuste interno, um escândalo de grande alcance envolvendo funcionários do governo e de empresas, e problemas políticos têm paralisado investimentos e dominado as perspectivas econômicas", afirma em um artigo. No começo da semana, o FMI rebaixou a previsão de crescimento do Brasil para 2016 e 2017. Este ano, a previsão é de contração de 3,5%, a maior entre os principais países do mundo, e no ano que vem, o PIB deve ficar estagnado, com expansão zero.

Werner ressalta no artigo que a inflação está em dois dígitos e o desemprego aumenta de forma clara. "A turbulência política continua a atrasar a adoção de uma estratégia fiscal confiável para manter a dívida pública em uma trajetória sustentável", disse, destacando que o Brasil foi alvo recentemente de três rebaixamentos de rating soberano.

A piora da classificação de risco aumentou o custo de financiamento para o País e para as empresas brasileiras, diz o diretor do FMI. Um dos poucos pontos positivos é que as exportações começam a mostrar sinais de força, graças principalmente à forte desvalorização do real.

Brasil, Argentina, Equador e Venezuela devem ser os responsáveis pelo crescimento negativo da América Latina este ano, destaca Werner. Uma combinação de problemas externos, como a queda dos preços das commodities, e desequilíbrios domésticas, têm levado a piora do investimento privado nestes países.

Werner afirmou que uma piora adicional da situação no Brasil pode levar a uma repentina reprecificação dos ativos da América Latina e reduzir a demanda por exportações dos parceiros do País no Mercosul.

Ele avaliou que a América Latina enfrenta riscos externos, como a elevação de juros dos Estados Unidos e, a desaceleração da economia da China, mas também tem um risco próximo, a economia brasileira. "Mais perto de casa, uma maior deterioração da situação no Brasil poderia levar a uma reprecificação repentina de ativos regionais, bem como à redução da demanda por exportações entre parceiros comerciais no Mercosul", disse.

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias