Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 25 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/09/2020

FMI corta previsão de crescimento do Brasil neste ano

07 OUT 2015 - 08h00

O Fundo Monetário Internacional (FMI) voltou a cortar as previsões de crescimento para o Brasil e o País deve ter um dos piores desempenhos entre as maiores economias mundiais em 2015 e 2016, de acordo com o relatório Panorama Econômico Global divulgado ontem. Para este ano, a previsão foi de queda de 1,5%, no relatório divulgado em julho pelo Fundo, para recuo de 3% no documento de ontem. Em 2016, a estimativa passou de crescimento de 0,7% para retração de 1%.

O Brasil foi, entre as principais economias mundiais, a com maior corte das projeções na comparação com o relatório do FMI de julho. Em 2015, só o Produto Interno Bruto (PIB) da Rússia deve encolher mais que o do Brasil, com queda de 3,8%. Já em 2016, o Brasil deve ter o pior desempenho considerando os maiores mercados. Para a economia russa, a previsão é de recuo de 0,6% no PIB em 2016. "Na América Latina, a crise no Brasil foi mais profunda do que o esperado", ressalta o documento. Desde 2012 o FMI vem reduzindo as previsões para o PIB brasileiro a cada nova atualização.

O FMI destaca no relatório que os índices de confiança dos empresários e consumidores brasileiros continuaram a piorar, "em grande parte por conta da deterioração das condições políticas" no Brasil. Com isso, o investimento está se desacelerando de forma rápida, afirma.

Para o FMI, o necessário ajuste macroeconômico no País está pressionando negativamente a demanda doméstica. A piora da economia brasileira, afirma o documento, está afetando outros países da América Latina, pelo tamanho e importância do país na região e sua interconectividade por meio, por exemplo, do comércio.

Nesse cenário, a América Latina deve ter novo ano de crescimento abaixo da tendência. Em 2015, a região deve se contrair 0,3% e no ano que vem, a previsão é de expansão de 0,8%.

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias