Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 20 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/09/2020

Governo Central registra em novembro pior déficit da história

29 DEZ 2015 - 07h00

O Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) teve em novembro o maior déficit primário da história. As contas da União ficaram negativas em R$ 21,278 bilhões mês passado, pior resultado para todos os meses desde o início da série histórica, em 1997.

As informações foram divulgadas ontem pelo Tesouro Nacional. Anteriormente, o recorde mensal havia sido registrado em setembro de 2014, quando houve déficit de R$ 20,4 bilhões.

De janeiro a novembro, o déficit primário está em R$ 54,330 bilhões, também o pior da história para o período. O resultado parcial supera o déficit de R$ 17,243 bilhões registrado para todo o ano de 2014, que foi o primeiro resultado anual negativo na história das contas do Governo Central.

A Previdência Social responde pela maior parte do déficit de novembro, com resultado negativo de R$ 14,797 bilhões. O Tesouro Nacional ficou negativo em R$ 6,433 bilhões e o Banco Central teve déficit de R$ 47,42 milhões. No acumulado do ano, a Previdência também registra o maior resultado negativo: está deficitária em R$ 91,361 bilhões de janeiro a novembro.

Investimentos

Os investimentos do governo federal registram um queda real de 38,1% de janeiro a novembro, na comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com dados do Tesouro, os investimentos pagos somaram R$ 51,491 bilhões no período. De restos a pagar foram R$ 32,184, ou seja, despesas de anos anteriores que foram transferidas para 2015.

Em novembro, as despesas com investimentos foram de R$ 3,676 bilhões, com queda de 30,8% sobre o mesmo mês de 2014.

Os investimentos com o Programa de Aceleração Econômica (PAC) somaram R$ 2,258 bilhões em novembro e R$ 36,329 bilhões nos onze primeiros meses do ano. As despesas com o PAC caíram 16,3% em novembro e 40,4% no acumulado do ano.

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias