Envie seu vídeo(11) 4745-6900
terça 25 de janeiro de 2022

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/01/2022
PMMC PEDÁGIO CANCELADO
Centro médico influenza
COVID CENTRO MÉDICO
Cidades

Alto Tietê registra 8ª queda consecutiva no ano; represas operam abaixo de 50%

Volume de água armazenada caiu 23,4% durante os oito meses

Por Lucas Lima - da Região01 DEZ 2021 - 15h02
Alto Tietê registra 8ª queda consecutiva no ano; represas operam abaixo de 50%Foto: Regiane Bento/DS
O nível do Sistema Produtor Alto Tietê (Spat) registrou a oitava queda consecutiva neste ano e operava, até a tarde desta terça-feira (30), com 37,4% da capacidade total. O volume de água armazenada caiu 23,4% durante os oito meses. Em 30 de março o nível estava em 60,8%. As cinco represas operam com volume abaixo dos 50%. Os dados são da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).
 
Os únicos aumentos registrados pelo Spat no ano foram de janeiro para fevereiro (56,9% saltou para 60,6%) e de fevereiro para março (60,6% subiu para 60,8%). Depois disso, foram oito quedas consecutivas. A maior delas ocorreu de junho para julho (54,4% caiu para 49,5%, ou seja, 4,9%).
 
A última queda no nível de armazenamento de água do Spat foi em novembro. Com data base dia 30, no décimo mês o sistema operava com 39,4% da capacidade total. Já em novembro despencou para 37,4%. 
 
De acordo com os dados da Sabesp, um dos motivos da queda do volume operacional do Spat foi a pluviometria acumulada. Em junho, mês em que houve a maior queda do nível do Sistema Alto Tietê, foram acumulados apenas 15,5 milímetros (mm) de pluviometria – a menor do ano. Para se ter ideia, a média histórica do mês era de 56,8 milímetros, ou seja, mais que o triplo do que foi acumulado. Já a maior pluviometria acumulada no ano ocorreu em janeiro (189,4mm).
 
Represas
 
Até a tarde de terça-feira (30), apenas as cinco represas operam abaixo da metade do volume de água em relação às capacidades. A primeira do ranking é a Ponte Nova, localizada em Salesópolis, que opera com 42,15%. Na sequência vem Taiaçupeba, que fica entre os municípios de Suzano e Mogi das Cruzes, que armazena 36,52% da capacidade total de água.
 
Já a represa de Jundiaí, situada uma parte em Mogi, está com 31,36% do volume preenchido.
Além dela, a barragem de Biritiba opera com volume de 27,61%. Com o menor volume entre as cinco da região, a represa Paraitinga, localizada em Salesópolis, tem apenas 22,62% de sua capacidade total armazenada.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias