Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 05 de dezembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 05/12/2020

Borges recebe moradores do Jd. Nova Poá após protesto por mais segurança

26 JAN 2016 - 07h00

 Próximo de completar um mês da morte do jovem Jadson Gersogamo, de 22 anos, assassinado durante assalto, em 31 de dezembro de 2015, em Poá, moradores do Jardim Nova Poá protestaram por mais segurança, na manhã de ontem. O ato pacífico começou antes das 8 horas. Cerca de 200 pessoas saíram a pé do bairro em direção à Prefeitura. Em reunião com a população, o prefeito Marcos Borges (PPS) prometeu o início da construção de um posto policial para a primeira quinzena de março.

Segundo o pai do jovem, Melcides Menezes da Silva, até o momento nenhuma providência foi tomada. "Nos prometeram a construção de um posto policial no bairro. Mas até agora nada. O bairro está muito perigoso e todos temem sair de casa. Todo mundo conhece alguém que sofreu alguma abordagem", explica.

Em seguida, o prefeito atendeu os manifestantes e prometeu o início das obras para a primeira quinzena de março. Silva frisa que caso a promessa não se cumpra, a população se reunirá novamente. "Hoje fizemos uma passeata até o Paço Municipal com 200 pessoas. Ontem (domingo) nos reunimos no bairro e aproximadamente 400 pessoas participaram do ato", detalha.

Silva ainda frisa que cerca de 50 dias antes da morte do filho, ele e um grupo de moradores pediram na Prefeitura a implantação do posto policial. Na época, a administração afirmou que não havia necessidade da construção em decorrência do número de ocorrências registradas no bairro. Ontem, em contrapartida, além de garantir o início das obras, Borges apresentou aos presentes a planta da unidade.

O prefeito enfatizou também que está previsto investimento para concurso de novos guardas municipais e também mostrou para os presentes o projeto para a construção de uma Base Comunitária que contemplará os moradores do bairro.

“Antes de acontecer esse crime brutal, nós já tínhamos esse projeto da Base Comunitária naquela região que foi readequado, inclusive com um sistema interligado de monitoramento entre GCM e Polícia Militar. O terreno também já está pronto, agora só vamos acelerar o procedimento licitatório para iniciar a construção na primeira quinzena de março. Acredito que após o início das obras, conseguiremos entregar esta base em três ou quatro meses. Enquanto não estiver pronto, vamos continuar com o policiamento que já é feito no Jardim Nova Poá”, disse.

O sargento Siqueira, da Polícia Militar (PM), também participou do protesto e disse que a ação da polícia é realizada em conjunto com os moradores, e que eles também podem procurar soluções para a segurança, como é o caso do Programa Vizinhança Solidária, proposta apresentada aos moradores do Nova Poá

CASO

Jadson morreu em um assalto no final do último mês. O suspeito, que foi preso e levado para Itaquaquecetuba, assaltou outras cinco pessoas do mesmo bairro, no mesmo dia, antes de ser capturado. Para a população, a única solução está no reforço do policiamento e a implantação de um posto policial no local. Durante a passeata todos usavam camisetas branca, além disso, outros carregavam cartazes com pedido de paz.

"Meu filho foi morto às 13h40, enquanto aguardava um ônibus e porque demorou a entregar o celular. Não podemos mais viver assim (com medo)", conclui Silva.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias