Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Logo de aniversário de 60 anos
domingo 19 de setembro de 2021

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/09/2021
SEC DE GOVERNO - CAMPANHA: CORONAVIRUS - VALE GÁS - FASE II
CREA-SP
GrupoIndy
ManArc
PMMC REDESCUBRA MOGI

Ferrazense se dedica a cuidar da filha de 7 anos com problema raro

Caso da criança de 7 anos é considerado raro. Ela nasceu prematura e sofre com hidromefrose à esquerda e extensão de jup

Por Thiago Caetano - de Ferraz31 JUL 2021 - 18h02
Emanuelly tem rim ferradura, uma anomalia renalFoto: Regiane Bento/DS
Amor de mãe não tem limites. Ela sempre estará ao lado do filho, independente da circunstância. Não é diferente com a ferrazense Margarida Ferreira dos Santos Silva, mãe de Emanuelly Vitoria Ferreira Silva. A vendedora luta para cuidar da filha com rim ferradura, uma anomalia renal, que geralmente é assintomática, mas pode causar problemas como: litíase renal, obstrução na junção ureteropélvica, trauma, infecções e tumores. É uma fusão cruzada da linha média de dois rins funcionando independentemente, um em cada lado.
 
O caso da criança de 7 anos é considerado raro. Ela nasceu prematura de 30 semanas, com 950 gramas e 35 centímetros, e também sofre de hidromefrose à esquerda e estenose de jup. A mãe conta que Emanuelly precisou ficar 64 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas não precisou ser entubada já que respirava sozinha. “Não teve nenhuma intercorrência. Graças a Deus. Ela ficou ali só para crescer mesmo. Com 64 dias ela teve alta”, disse Margarida.
 
Segundo a mãe, o problema foi descoberto quando a filha tinha apenas um ano de idade. Desde então, a criança passa por acompanhamento. “Ela tinha muita dificuldade de evacuar. Fizemos ultrassom total do abdômen e foi descoberto o rim ferradura. Desde então ela vem sendo acompanhada com um nefrologista infantil”, relata.
 
Por se tratar de um caso raro, o médico urologista responsável pelo caso pediu autorização para a mãe e o pai para fazer um documentário. Ela foi informada de um caso parecido no Canadá, onde o profissional estudou e se especializou no assunto. Tanto a mãe, quanto o pai, autorizaram a produção. “Da mesma forma que luto pela saúde da minha filha, posso ajudar outras famílias a ajudarem seus filhos”, explicou a mãe.
 
A luta tem sido desgastante para os pais. A fé inabalável em Deus faz a mãe seguir firme na luta. Toda essa fé é transmitida na criança, o que fortalece Margarida. “É uma criança educada. Confia em Deus e acredita na cura. Isso me dá forças”.
 
A criança passou por diversas internações, sofreu várias vezes com infecção urinária e passou por três intervenções cirúrgicas. Ela passará pelo tratamento durante toda vida. Segundo a mãe, um especialista trata o caso como um milagre. Mesmo diante do problema, a criança não sofre com problemas mais graves e o órgão funciona normalmente. A alimentação é regrada. Os alimentos industrializados são descartados do cardápio, dando prioridade aos naturais, com um toque de tempero caseiro. 
 
Os exames são frequentes: desde os mais simples aos mais específicos. Sempre acompanhada de perto pela mãe e também pelo pai. “Independente de qualquer coisa, preciso ser mais forte que ela. Sempre falo com ela: temos que ser fortes e corajosas. Ela é uma criança forte e entende tudo que está acontecendo. Não escondo nada dela. O pai é ótimo e está presente em nossas vidas. Ela e ele são meus amigos”. Na opinião da vendedora, a região do Alto Tietê carece de atendimentos para crianças, como um urologista pediátrico, por conta do nascimento de muitos bebês prematuros.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias