Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 18 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 18/09/2020
PMMC COVID SAÚDE
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC COVID LAR

Furtos de água aumentam 189% e somam 2.130 casos no Alto Tietê

10 JAN 2016 - 07h00

De janeiro a novembro deste ano, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) identificou 2.130 casos de furtos de água nas cidades do Alto Tietê. O número representa um aumento de 189% nos casos, quando comparado com o primeiro semestre de 2015, onde foram constatadas 737 ligações irregulares de água. Os dados levam em conta as cidades de Arujá, Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Itaquaquecetuba, Poá, Salesópolis e Suzano, além dos bairros de divisa de Mogi das Cruzes.

Do total das irregularidades encontradas no Alto Tietê, cerca de duas mil, ou 95%, foram identificadas em imóveis residenciais. O restante estavam em indústrias e comércios. O volume total de água desviada na região, neste período, totalizou 230,6 milhões de litros de água. A quantidade seria suficiente para o abastecimento de aproximadamente 15 mil famílias, durante um mês.

A Sabesp alerta que aqueles que cometem o crime acabam contribuindo para o desperdício, uma vez que acreditam que não vão pagar pelo consumo. A pena para quem pratica o furto é de um a quatro anos de reclusão, além da aplicação de multa.

2014

Nos doze meses do ano passado, a companhia identificou e corrigiu 997 irregularidades no Alto Tietê. O número representa 53% a menos dos já registrados em 2015. Em contrapartidas o volume de água desviado foi de 341,4 milhões de litros. Ou seja, cerca de 110 milhões a mais do que os já constatados em 2015.

FRAUDES

Para identificar a fraude, a Sabesp trabalha com as equipes de caça-fraude, que acompanham o consumo e vistoriam os imóveis. Por telefone, os moradores também podem relatar os casos suspeitos por meio do número 195 ou pelo Disque-Denúncia (telefone 181), cuja chamada é gratuita e não exige a identificação de quem liga.

Dentre as fraudes podem-se citar as ligações clandestinas e a violação do hidrômetro. A maioria das irregularidades foi constatada em imóveis com perfil residencial.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias