Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 15 de agosto de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 14/08/2020
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Mais de 90% dos artistas do Alto Tietê tiveram as atividades suspensas devido a pandemia

Levantamento preliminar feito pela Frente Popular pela Cultura do Alto Tietê traz dados inéditos sobre o impacto da Covid no setor

Por da Região30 JUL 2020 - 17h17
Encontro virtual entre profissionais da cultura da regiãoFoto: Reprodução

Cerca de 94% dos artistas do setor cultural no Alto Tietê tiveram suas atividades interrompidas por causa da pandemia da Covid-19. O número representa bem o drama que vive diariamente esses trabalhadores, que foram os primeiros a suspender suas ações em função da quarentena e consta de uma pesquisa preliminar inédita realizada pela Frente Popular pela Cultura do Alto Tietê, movimento formado para reivindicar e cobrar a efetivação do repasse de recursos previstos na lei federal nº 14.017/2020, denominada de Lei Aldir Blanc. Outra ação que está programada é a realização de um Sarau Cultural em forma de “Live”, que acontece nesta sexta-feira (31), às 20 horas, pela página da Frente no Facebook.

Os resultados foram apresentados em coletiva de imprensa virtual realizada na manhã desta quinta-feira (30). Segundo a Frente, essas informações reforçam o quanto é necessário que todos os representantes se envolvam: sociedade civil, poder público e artistas e trabalhadores da cultura. Até a última quarta-feira, 195 pessoas já haviam preenchido o mapeamento elaborado pela Frente e todas as 12 cidades da região (incluindo Guarulhos e Santa Branca) estão contempladas neste levantamento.

Para Gisele Magalhães, responsável pelo GT de Mídias da Frente pela Cultura, este mapeamento é um primeiro passo para reivindicar políticas públicas para o setor duramente afetado pela crise de saúde. “O mapeamento cultural reúne toda a atividade artística existente no Alto Tietê. Nós temos muitos coletivos de teatro, de dança, artistas independentes, músicos, temos a comunidade LGBTQIA+, temos cultura tradicional, cultura popular e muitos de nossos artistas, muitas vezes, ficam invisíveis perante o poder público”, ressaltou.

Outro dado interessante que a pesquisa revelou foi que 75% dos entrevistados identificados como artista ou trabalhador do setor cultural atua na área há mais de 10 anos. Para Rose Meusburger, do GT de Suporte Informativo e Mapeamento, este indicador mostra uma característica do perfil desses trabalhadores na região. “Não são pessoas que começaram a trabalhar agora, mas é gente que realmente trabalha há muito tempo”, destaca.

Brendo de Lima destaca que essa articulação dos grupos, coletivos e artistas está ocorrendo em esfera nacional, estadual e municipal, uma vez que todo o trâmite para o recebimento do auxílio emergencial cultural, previsto em lei, será feito pelo governo do Estado e também pelas Prefeituras. “Esta situação pandêmica se agrava a cada dia no nosso setor, que, com certeza, será o último a retornar as atividades”, lembrou.

Cientes da necessidade de contar com os gestores públicos, a Frente pela Cultura tem feito interlocuções diretamente com os representantes da Cultura dos Municípios, como afirma Lucas Bandeira, do GT de Formação Política e Pedagógica. “Temos acionados os gestores para saber qual o panorama das cidades, como estão articulados e como tem se relacionado com esses trabalhadores”.

Cada cidade já iniciou o processo de cadastramento dos artistas e trabalhadores da cultura por meio das Prefeituras. Algumas estão em processo avançado, como Ferraz de Vasconcelos, Suzano e Mogi das Cruzes. Outras ainda deverão lançar seus formulários de cadastro nas próximas semanas. É por meio deste cadastro que os governos saberão quais as pessoas que receberão o auxílio de R$ 600. É importante frisar que o mapeamento cultural realizado pela Frente, não assegura o recebimento do dinheiro. Todo este processo está sendo feito pelos municípios.

Sarau live

Outra ação que está programada é a realização de um Sarau Cultural em forma de “Live”, que acontece nesta sexta-feira (31), às 20 horas, pela página da Frente pela Cultura do Alto Tietê no Facebook. Já estão confirmados a participação de artistas de diversos segmentos como, Artes Plásticas, Circo, Dança, Teatro, Literatura, Música, Hip Hop, entre outros, com apresentações ao vivo e gravadas. Além disso, foram convidados os gestores culturais de todas as cidades da região para falar sobre a mobilização regional que está sendo realizada para assegurar a efetivação da Lei Aldir Blanc. O objetivo da live é divulgar as diversas ações da frente, ampliar o mapeamento para que possa alcançar outros artistas e trabalhadores do setor cultural que atuam nas cidades da região.

Histórico

A Frente Popular pela Cultura do Alto Tietê é um movimento da sociedade civil, formada por artistas, trabalhadores e trabalhadoras do setor cultural de todas as cidades da região. Instituída em caráter suprapartidário, teve início no dia 17 de junho de 2020, com o intuito de acompanhar e participar das conferências púbicas sobre a Lei Aldir Blanc, bem como participar do processo político nas instâncias municipais. 

Um dos principais objetivos do movimento é unir a classe artística e cultural, da região, na defesa por políticas públicas municipais, tais como a implementação de secretarias e conselhos de cultura, fundos, leis de fomento, entre outros. Estes instrumentos não são fundamentais apenas para a aplicação da lei, mas possuem relevância para a criação da identidade cultural do município. Hoje a Frente está constituída por trabalhadores de 10 dos 12 municípios que, segundo o Consórcio dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), compõem a região, e organizados em três comissões: Comunicação, Articulação e Suporte e mapeamento. Neste período, o grupo mantém contato direto com secretários e demais dirigentes do setor cultural e organiza um cadastro e mapeamento dos integrantes da Frente.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias