Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quinta 01 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 01/10/2020
SOUZA ARAUJO
ÚNICCO POÁ
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Três de cinco cidades da região têm queda no número de linhas fixas

22 ABR 2016 - 08h01

Três das cinco principais cidades da região tiveram diminuição no número de linhas de telefonia fixa no período de um ano. Esta queda representa 10,05%. Suzano e Mogi das Cruzes foram as únicas cidades que apresentaram aumento no número de linhas. Os dados foram divulgados pelo portal da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A comparação foi feita entre fevereiro de 2015 e mesmo mês deste ano.

Mogi foi a cidade que teve o maior aumento, sendo que no ano passado foram 83.762 linhas de telefonia e o número atual é de 95.935. Já Suzano teve um pequeno crescimento nas solicitações de linhas fixas, assim representando a elevação de 21.562 para 21.718. As três cidades que tiveram queda foram Itaquaquecetuba, Ferraz de Vasconcelos e Poá. Os respectivos municípios registraram diminuições em novas solicitações, totalizando 2.296 novos acessos para cada 100 habitantes.

A queda das linhas fixas é atribuída ao aumento de tecnologias em telefones móveis, uma vez que a população acaba optando pela facilidade de comunicação, rapidez no contato e custos menores no final do mês.

Para o cozinheiro Edson Borges, o uso do telefone fixo é exclusivamente para casos emergências. "Temos o fixo, mas é bem raro o usarmos. Apenas o usamos em caso de extrema necessidade, visto que os preços só são atrativos para outro telefone. Em casa usamos mais o celular".

"Ainda não sei o motivo de continuar usando o telefone fixo, isto porque apenas faço o uso do celular. Em casa ele fica lá no canto, e quando o uso é ruim. Prefiro mais o telefone e creio que estou gastando dinheiro", diz a operadora farmacêutica Eloisa Gabriel.

A empresária Rosana Lumiko Kayanuma explica que divide o uso de telefones, sendo o fixo e o móvel. Ela atribui a divisão pelo fato de ter um comércio. "Na loja uso mais o telefone, mas, com estas novas tecnologias de mensagens instantâneas, acabamos usando tudo. Em casa acaba sendo a mesma coisa. Posso dizer que é 50% cada um", conta.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias