Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 18 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 18/09/2020
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC COVID SAÚDE
PMMC COVID LAR

Filme inspirado na história do lutador José Aldo estreia no cinema de Suzano

16 JUN 2016 - 08h00

Estreia, hoje, no cinema de Suzano, o filme "Mais Forte que o Mundo: A História de José Aldo" que retrata a história do lutador brasileiro e ex-campeão do Ultimate Fighting Championship (UFC). O filme é dirigido por Afonso Poyart, que também assina o roteiro ao lado de Marcelo Rubens Paiva, e mostrará a vida de superação do lutador de artes marciais mistas (MMA, sigla em inglês), que passou por grandes desafios até chegar a ser um destaque do esporte, angariando o título de primeiro campeão peso-pena do UFC. O filme é classificado como drama e tem indicação etária para 14 anos.

Não é de hoje que o universo do esporte, em especial dos lutadores, tem inspirado produções cinematográficas sejam reais ou fictícios. Vide o filme "Como Água" inspirado na história de Anderson Silva; "Menina de Ouro" de 2004 e dirigido por Clint Eastwood; o icônico Rocky Balboa com Sylvester Stallone; e outros.

O contexto baseado na superação de obstáculos, sejam físicos, financeiros ou sociais, para a conquista de um sonho é o que basicamente norteia as histórias das produções que retratam a trajetória destes esportistas. Filmes deste gênero tentam focar na habilidade que o lutador precisa ter de canalizar a raiva, derivada de traumas e de episódios tristes de sua vida, e aplicá-la dentro de um ambiente competitivo e focado na disciplina. O filme "Mais Forte Que o Mundo" também investe neste enredo, quando o treinador Dedé Pederneiras, que no filme é interpretado pelo ator Milhem Cortaz, começa a ensinar a José Aldo a diferença entre brigar e lutar, isso ainda no início de sua carreira. O ator Jose Loreto ficou a cargo de interpretar Aldo no cinema.

Mais do que um foco no crescimento profissional de Aldo, que saiu de um bairro pobre de Manaus e ganhou os ringues internacionais, o longa tem o objetivo de mostrar a relação do lutador com sua família, em especial com seu pai que era alcoólatra. O filme tem de tudo incluindo declaração de amor e pedido de casamento. O elenco do filme traz ainda Jackson Antunes, Cláudia Ohana, e Cléo Pires.

INTERPRETAÇÃO

A interpretação de José Loreto é tão intensa que depois de ver o filme todos acharão que ele nasceu para ser Zé Aldo. O filmte tem recebido elogios como o do diretor Fernando Meirelles. Vale lembrar, que quando se conheceram em Hollywood - Steven Spielberg e Meirelles - o cineasta norte-americano (Spielberg!) revelou-se o maior fã de "City of God/Cidade de Deus", longa dirigido por Meirelles. E o conceituado diretor brasileiro tem elogiado as cenas de ação de "Mais Forte Que o Mundo".

"Uma boa cena de ação tem que combinar um bom roteiro da sequência, isso é, saber quem bate e quem apanha a cada momento. Precisa de boa coreografia para pensar como se bate e como se apanha. Boa interpretação e boa decupagem para que as 'porradas' pareçam reais e doloridas. Fora isso, montagem precisa e efeitos sonoros. O Afonso combina todos estes elementos como um maestro", disse o diretor.

Na pré-estreia paulistana do filme, José Aldo falou sobre o filme. "Fiquei muito emocionado de ver um filme sobre a minha história. É um trabalho excelente feito pelo Afonso e eu só tenho que agradecer a ele e ao elenco. Acho que ficou uma história bem real. Fiquei feliz com a atuação do José Loreto, que se esforçou, deu seu máximo e com certeza me senti muito bem representado. Convivemos durante dois anos, vimos o filme sair juntos, ele treinou na academia comigo. Foi um grande irmão que eu recebi na vida”.

Loreto conta que Aldo (o filme) tomou um ano de sua vida. "Foram sete meses de muita preparação física. Sempre pratiquei esporte, lutava, mas aqui foi outra coisa. Ganhei massa muscular, fiquei sarado e até era capaz de encarar umas lutas." A preparação física exigiu empenho, dedicação. Mas havia o outro problema. Chamada a preparar o elenco de Aldo, Fátima Toledo disse ao diretor - "Ele (Loreto) é muito bonzinho".

Família pobre, pai violento que bate na mãe. Loreto precisou encontrar esse Aldo brutal dentro dele. Ouvia do próprio lutador - "Tem de ser marrento". O elogio de Zé Aldo cala fundo - "Todas as cenas com o meu pai trouxeram uma emoção muito grande, tudo o que fiz, que passei e o que tentei ser na minha vida foi graças a ele. Falar no meu pai, lembrar tudo o que a gente viveu junto e ver isso no cinema foi uma emoção muito grande", finalizou.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias