Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 20 de agosto de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/08/2019
PMMC - TRATA BRASIL
CENTERPLEX 15 A 21/08
Caderno D

Festa do Divino de Mogi termina neste domingo com comemoração ao Dia de Pentecostes

Por de Mogi09 JUN 2019 - 09h12
Entrada dos Palmitos atraiu 40 mil pessoas em MogiFoto: Gabriele Stela Doro/Divulgação
O Dia de Pentecostes é amplamente comemorado em 9 de junho. É o principal dia da Festa do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes, cuja programação começa com a Alvorada, às 5 horas, que faz uma breve cerimônia simbolizando a vinda do Espírito Santo sobre os apóstolos, em frente ao Convento da Ordem Primeira do Carmo, e se estende com a Procissão de Pentecostes, que conta com tapete ornamental, seguida da Santa Missa, e termina com a queima dos pedidos, o fechamento do Império e a retirada do mastro, instalado na Praça Coronel Benedito de Almeida, para sinalizar que mais uma Festa do Divino chegou ao fim. 
 
“O Dia de Pentecostes é celebrado na noite de sábado e no dia de domingo. Na noite de sábado, remonta essa vigília, que também tem o sentido de espera, onde nós, depois, na madrugada abençoamos o fogo, símbolo da presença do Espírito Santo. Nos atos dos apóstolos, aparece o Espírito descendo sob os discípulos e Nossa Senhora em línguas de fogo. A bênção do fogo que acontece na frente da Igreja do Carmo remonta essa passagem dos atos dos apóstolos daqueles que aguardavam em oração até que veio o cumprimento da promessa de Jesus de enviar o seu Espírito”, explica o padre Diogo Shishito, assessor eclesiástico da Festa do Divino.
 
Ele fala, ainda, sobre esse dia tão importante para a igreja e para a Festa do Divino: “Pentecostes é o dia da vinda do Espírito Santo, é o início da missão da Igreja. A Igreja sai do ‘esconderijo’, porque os apóstolos estavam com medo, depois da crucificação de Jesus, e, impulsionados pela força do Espírito Santo, começam a anunciar a vitória da vida sobre a morte. O Espírito Santo dá início e força para que a igreja tenha a sua atividade missionária iniciada é essa celebração que fazemos. Já a procissão, com a imagem do Divino, nos recorda essa ação de Deus que perpassa todos os lugares que a igreja toca por meio dos seus fiéis”.
 
Procissão
 
O cortejo fará o seguinte percurso, saindo da Catedral de Sant´Ana e percorrerá as ruas José Bonifácio, Doutor Corrêa, Ricardo Vilela, Doutor Deodato Wertheimer e Doutor Paulo Frontin, até voltar à Catedral. Em seguida, a Santa Missa será presidida pelo bispo diocesano de Mogi das Cruzes, Dom Pedro Luiz Stringhini. Aproximadamente, 15 mil pessoas deve ser o público que irá acompanhar a procissão.
 
A procissão realiza sete paradas em altares montados pelos fiéis que esperam a palavra do bispo diocesano. Após ele explicar o significado do dom, uma pomba branca é solta em direção aos céus. A primeira residência é o dom da Sabedoria (azul claro), localizada na rua José Bonifácio, 414. As demais paradas se concentram na rua Doutor Ricardo Vilela. A segunda será no Santuário Bom Jesus, onde o altar remete ao dom do Entendimento (prata). O terceiro dom é o Conselho (verde), no número 573. O quarto dom é o da Fortaleza (vermelho), no 353. O dom da Ciência (amarelo), o quinto, estará localizado no 325. Já o da Piedade (azul escuro), no 241. Por fim, o Temor de Deus (roxo), no prédio da Drogasil, na rua Doutor Deodato Wertheimer, 1.352.
 
Entrada dos Palmitos
 
Ponto alto da programação folclórica da Festa do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes, a Entrada dos Palmitos atraiu no sábado (8) 40 mil pessoas para assistir ao cortejo. Após a procissão, que representa a época da colheita, da fartura, foi servido o Afogado do Povo, gratuitamente, na área da Quermesse, no Centro Municipal Integrado “Deputado Maurício Nagib Najar”, no Mogilar.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias