terça 21 de maio de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/05/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Editorial

A preocupação com o clima

04 novembro 2022 - 05h00

A preocupação com o clima passa diretamente com evitar o desmatamento na Amazônia. 
A floresta Amazônica representa um terço das florestas tropicais do mundo, desempenhando papel imprescindível na manutenção de serviços ecológicos, tais como, garantir a qualidade do solo, dos estoques de água doce e proteger a biodiversidade. Processos como a evaporação e a transpiração de florestas também ajudam a manter o equilíbrio climático fundamental para outras atividades econômicas, como a agricultura.
Reportagem publicada na Agência Brasil mostrou que o mundo está muito distante de arrecadar o dinheiro necessário para ajudar países com dificuldades a se adaptarem aos impactos cada vez mais perigosos das mudanças climáticas, de acordo com um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgado nesta quinta-feira (3).
Além de encontrar dinheiro e vontade política para reduzir as emissões e conter o aquecimento global, centenas de bilhões de dólares são necessários para proteger os países de mudanças que aconteceram muito mais rápido do que os cientistas haviam previsto.
O financiamento internacional atual que flui para os países em desenvolvimento está entre 5 e 10 vezes abaixo do necessário, disse o relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).
Em 2020, o dinheiro dos países doadores reservado para ajudar os países mais pobres a se adaptarem às mudanças climáticas foi de apenas US$ 29 bilhões, muito abaixo dos US$ 340 bilhões por ano que podem ser necessários até 2030.
"É hora de uma revisão global da adaptação climática", disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em um comunicado à imprensa, observando que pediu aos fundos climáticos verdes para trabalhar com financiadores públicos e privados para produzir um novo incentivo para investimentos em adaptação, em reportagem na Agência Brasil.
Os fundos de adaptação são frequentemente aplicados em programas como melhoria da segurança alimentar ao auxiliar na plantação de culturas resistentes ao calor e à seca, ou em infraestrutura, como paredões marítimos para ajudar a manter as águas sob controle.
Na cúpula climática da ONU em Glasgow, no ano passado, os países desenvolvidos concordaram em dobrar o apoio ao financiamento da adaptação para US$ 40 bilhões por ano até 2025.
Na COP27 em Sharm El Sheikh, no Egito, que começa neste domingo (6), os países "precisam apresentar um roteiro confiável com marcos claros sobre como isso será entregue e de preferência como doações, não empréstimos", disse Guterres.
É importante que o Brasil esteja inserido no processo de preservação do clima e, por tabela, conseguir garantias para que cada cidade consiga contribuir de alguma forma.