Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 06 de dezembro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 05/12/2019
SOLIDARIO2019

Acolha a Vida

23 JUL 2019 - 23h59
O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), por meio da Secretaria Nacional da Família (SNF), lançou ontem a campanha "Acolha a Vida" no município de Suzano, região metropolitana de São Paulo. 
Sem dúvida, é um projeto importante porque a atividade visa alertar as famílias e profissionais sobre a importância da prevenção e da identificação dos comportamentos ligados ao suicídio e à automutilação.
No último levantamento apresentado pelo MMFDH, o suicídio consta como a segunda causa de morte entre jovens, principalmente dos 12 aos 18 anos. A cada ano, 120 mil pessoas tentam tirar a própria vida e 12 mil conseguem concretizar, o que torna o Brasil o 8º país no mundo nesse quesito. Estima-se que 20% dos jovens estão se automutilando atualmente.
O projeto reservou também uma programação especial. Foram realizados três cursos voltados para diversos profissionais que lidam, direta e indiretamente, com situações que envolvem o tema - assistentes sociais, policiais, professores, conselheiros tutelares, líderes comunitários e religiosos.
Recentemente a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, destacou a importância de preparar educadores e professores sobre a prevenção do suicídio e automutilação em um encontro com a presidente da Associação Nacional das Universidades Particulares e da Câmara de Ensino Superior da Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (Confenen), Elizabeth Guedes, em Brasília. 
São questões que os profissionais da Educação poderão lidar durante toda a carreira profissional. Por isso a importância do preparo desde a graduação, desde os primeiros passos.
De acordo com a secretária nacional da Família, Angela Gandra Martins, o principal desafio para enfrentar esses problemas é contribuir para uma sensibilização adequada sobre a saúde das pessoas atingidas.
Mas ainda existem obstáculos. É observado, por exemplo, a tendência de se qualificar de modo pejorativo as pessoas que apresentam comportamentos depressivos e que mostrem alguma predisposição à autoagressão. 
É fundamental apresentar as diversas facetas desse drama de maneira humanizadora. É importante encarar esse desafio.
Ontem, Suzano foi palco do lançamento da Campanha Acolha a Vida, de prevenção ao suicídio e à automutilação, promovida pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, em parceria com a administração municipal. 
É um trabalho especial, de um projeto voltado para tentar reduzir os índices de casos no Brasil. 

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias