sábado 20 de abril de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 20/04/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Editorial

Confiança da indústria

02 maio 2017 - 08h00

A situação de crise econômica do País preocupa e barra investimentos importantes por parte do setor industrial. Na semana passada, no entanto, uma notícia mostrou que o setor está mais esperançoso em relação à melhorias. Uma pesquisa revelou que o Índice de Confiança da Indústria (ICI) avançou 0,5 ponto em abril, indo para 91,2 pontos e mantendo o nível desde os 92,2 pontos de maio de 2014. Os dados relativos à Sondagem da Indústria de Transformação foram divulgados no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). A publicação indica que a alta de confiança do setor atingiu 11 de 19 segmentos industriais pesquisados, “como resultado da combinação da melhora das expectativas com suave piora nas percepções sobre a situação atual”. Com isso, o Índice de Expectativas (IE) avançou 1,3 ponto para 94,4 pontos, o maior nível desde os 96,9 pontos de abril de 2014; enquanto o Índice da Situação Atual (ISA) caiu apenas 0,2, atingindo 88,3. Na nota em que informa o comportamento da indústria de transformação, a FGV fez uma avaliação da situação do setor feita pelo superintendente de Estatísticas Públicas da FGV. O resumo é que o setor industrial ainda está insatisfeito com a situação presente dos negócios, mas bem menos pessimista quanto ao futuro do que esteve no ano passado. O que é uma notícia importante porque dá margem para que ocorram novas contratações. O fato é que enquanto o nível de produção avança lentamente e a percepção sobre a demanda volta a piorar, a boa notícia é a consolidação do avanço do otimismo com relação ao ambiente de negócios no horizonte de seis meses. A melhora das expectativas com a evolução do ambiente de negócios foi fundamental para a alta do Índice de Expectativa no mês, com o indicador subindo 3,3 pontos, somando 97,2 pontos, o maior nível desde os 98,3 pontos de abril de 2014, garantem especialistas. Houve aumento da proporção de empresas prevendo melhora da situação dos negócios nos seis meses seguintes. Não há dúvida que a falta de confiança do empresário da indústria agrava ainda mais a recessão no País. Mas, a partir do momento em que a confiança é retomada, a expectativa da geração de novos empregos pode aumentar. O País precisa, sem dúvida, voltar a crescer para garantir novas oportunidades retomando assim o amplo desenvolvimento econômico.