segunda 20 de maio de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/05/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Editorial

Dia dos Povos Indígenas e perfil das escolas

20 abril 2024 - 05h00Por editoracao

Neste dia 19 de abril foi comemorado o Dia dos Povos Indígenas. A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP) organizou um levantamento sobre as 42 escolas estaduais indígenas localizadas na capital, interior e litoral. Estão incluídas as unidades escolares do Alto Tietê.
Atualmente, nessas unidades estão matriculados 1.621 estudantes nos anos iniciais e finais do Ensino Fundamental, no Ensino Médio e na Educação de Jovens e Adultos (EJA).
De acordo com o Governo do Estado, além da língua portuguesa, nas unidades escolares é garantido o aprendizado dos estudantes nas línguas indígenas de seus povos, que atualmente são cinco, distribuídas nas 42 escolas: Guarani Nhandewa, Guarani Mbya, Kaingang, Krenak, Terena. Para além dessas cinco nomenclaturas acadêmicas, os povos indígenas do estado de São Paulo se autodeclaram como falantes das línguas Tupi e Tupi-Guarani, reconhecidas como tronco-linguístico.
Entre os 1.621 alunos, 654 deles estão matriculados nos anos iniciais, 568 nos anos finais do Ensino Fundamental, 269 no Ensino Médio e 130 na EJA. Entre eles, 52,35% são meninos e homens e 47,64% são meninas e mulheres.
Na capital, a escola indígena com mais estudantes matriculados é a EEI Indígena Guarani Gwyra Pepo, com 288 alunos — onde se fala e aprende Guarani Mbya. No interior, a escola com mais matrículas, a EEI Aldeia Kopenoti, na cidade de Avaí, atende a 50 alunos — onde se fala Terena. No litoral, a EEI Txeru Ba e Kua-i, em Bertioga, atende a 99 alunos indígenas — onde o povo indígena local se autodeclara ser falante de Tupi-Guarani.
De acordo com o governo estadual, a Secretaria da Educação deve investir em quatro anos de gestão ao menos R$ 21,2 milhões em melhorias nas escolas estaduais indígenas, um valor onze vezes maior que os custos da última gestão nessas unidades, de R$ 1,8 milhão.
Foram entregues quatro obras, que custaram R$ 1,4 milhão;
Seis substituições de prédios (construção de novos espaços) de escolas indígenas já tiveram suas obras iniciadas, totalizando R$ 11,5 milhões;
Oito reformas e adequações estão em andamento, no valor de R$ 3,6 milhões;
Outras três já foram contratadas e devem ter início nos próximos meses, com previsão de investimento de R$ 4,7 milhões.
As obras da Secretaria da Educação são contratadas e acompanhadas pela Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE).