Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quarta 17 de julho de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 16/07/2019
PMMC AGASALHO
CENTERPLEX HOMEM ARANHA 11 A 17/07/2019
PMMC INVERNO

Focos de queimadas

06 JUL 2019 - 23h59
Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam que 99% dos incêndios florestais em território nacional são iniciados por ação humana. Há causas diversas como a realização de queimadas na agricultura e nas pastagens, o descarte de bitucas de cigarro perto de matas, a soltura de balões, a queima de lixo, entre outras práticas que agravam o problema nos períodos de tempo mais seco. 
As queimadas são danosas ao patrimônio biótico e aos dispositivos de proteção das rodovias, alterando o sistema de drenagem ou destruindo a vegetação que contribui para a interação da estrada com o meio ambiente. 
É importante fiscalizar o surgimento de focos de incêndio e busca prevenir ou mitigar o impacto próximo à área das obras.
Na semana passada, o DS trouxe reportagem mostrando que o Alto Tietê registrou 45 focos de queimadas nas cidades do Alto Tietê neste ano. Desses, 22 foram classificados com risco crítico de fogo, no período de 1º de janeiro a 27 de junho. Outros 4 classificados com risco alto, 4 com risco médio, 1 apresentou risco baixo e 14 foram tabelados com risco mínimo de fogo. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).
De acordo com o órgão, os incidentes ocorrem, na maioria das vezes, por causas humanas - aberturas de novas áreas ou descuido - ou por causas naturais, por exemplo, a queda de um raio no local.
Mogi das Cruzes teve 15 focos computados. É a que mais teve registros dos satélites em 2019. Santa Isabel vem em seguida, com 10 e Guararema fecha a lista das 3 primeiras, com 8. 
Biritiba-Mirim, Salesópolis e Suzano apresentaram 3 registros cada uma. 
Para estimular o uso de alternativas ao fogo na agricultura, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), por meio do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (PrevFogo), desenvolve ações em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). O objetivo é levar aos produtores rurais técnicas capazes de substituir as queimadas. E advertir que mesmo quando a queima é controlada, é indispensável seguir a legislação vigente. Os detalhes destas formas de plantio estão disponíveis no site da Embrapa ou entrando em contato com a empresa para receber as orientações.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias