segunda 15 de abril de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 14/04/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Editorial

Gravações

20 maio 2017 - 08h00

Esta semana, o Brasil viveu um “turbilhão” com denúncias envolvendo o nome do presidente Michel Temer (PMDB). Ontem, o Supremo Tribunal Federal (STF) divulgou toda a íntegra da delação premiada dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos do grupo JBS, controlador do frigorífico Friboi. A medida foi tomada após o ministro Edson Fachin homologar os depoimentos, firmados com a Procuradoria-Geral da República (PGR). São cerca de 2 mil páginas. As oitivas foram gravadas em vídeo. Após retirar o sigilo dos depoimentos, o STF divulgou o áudio gravado pelo empresário Joesley Batista em uma reunião com o presidente Temer. A prova faz parte da investigação que foi aberta contra o presidente na Suprema Corte. Também foram citados os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Zezé Perrella (PMDB-MG), além da ex-presidente Dilma Rousseff e o ex-ministro Guido Mantega. O áudio tem cerca de 40 minutos. Na conversa, Temer e Batista falam sobre o cenário político, os avanços na economia e também citam a situação do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que foi preso na Operação Lava Jato. Em pronunciamento esta semana, Temer afirmou que não irá renunciar ao cargo e exigiu uma investigação rápida na denúncia em que é citado, para que seja esclarecida. Em seguida, em nota divulgada à imprensa, o Palácio do Planalto informou que o presidente não acreditou na veracidade das declarações de Joesley referentes ao suborno de um juiz e um procurador. O País passa por um momento de crise “sem precedentes” com a classe política em total descrédito. Encontrar uma saída para um problema tão grande não será fácil. As denúncias vão colocar o País em um estado de paralisação total. A dúvida e a insegurança dos próximos dias serão grandes em praticamente todos os setores. Agora é esperar que todos os episódios que tramitam na Justiça, em especial na Lava Jato, sejam apurados com o rigor da lei. É preciso ter confiança nos agentes que estão à frente dessas operações. O que mais se espera é que o Supremo Tribunal Federal (STF) investigue logo as denúncias que atingem o presidente da República com o objetivo de esclarecer os fatos e, assim, dar continuidade à retomada do crescimento econômico do País.