domingo 25 de fevereiro de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/02/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Editorial

Gravidez na adolescência

14 fevereiro 2023 - 05h00

Com a chegada da adolescência é normal que aconteçam as transformações corporais, as alterações hormonais e com estes a descoberta do corpo e de novas sensações, afirmam especialistas.
Seria interessante que os adolescentes recebessem orientações adequadas sobre sexualidade para, além de aprenderem sobre o assunto, pudessem se prevenir de maiores problemas.
Segundo dados do ministério da saúde, a cada ano cerca de um milhão de adolescentes engravidam sem desejar.
Conforme reportagem da Agência Brasil, desde 1998, o Estado de São Paulo vem registrando queda nos números relacionados à gravidez na adolescência. Em levantamento realizado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), a redução chega a 61,8% na população entre 10 e 14 anos entre 1998 e 2021.
Os municípios das cidades da região mantêm programas de conscientização e acompanhamento das jovens.
Só para se ter uma ideia, conforme reportagem da Agência Brasil, entre meninas de 15 a 19 anos, no mesmo período, a redução chega a 65,3%. No total, entre meninas de 10 a 19 anos, a redução é de 65,2%.
Em 1998, foram registrados 4.343 nascimentos entre mães de 10 a 14 anos. Já em 2021, para a mesma faixa etária, foram registrados 1.657 nascimentos. Entre adolescentes de 15 e 19 anos a diferença foi de 136.685 para 47.385. Para se ter uma ideia do tamanho da redução, em 2021, o total de nascidos entre mães de 10 a 19 anos representou 9,3% de todos os nascidos vivos do ano. Em 1998 esse número representava 20%.
Desde 1995 a Secretaria de Estado da Saúde (SES) se empenha em programas com ações efetivas e que englobam, entre outras atividades, a capacitação de profissionais por meio de evidências, que mostram que os adolescentes conhecem os métodos contraceptivos, mas que, possuem dificuldade em manipular e trabalhar as informações adquiridas. Especialistas afirmam que a conversa com os adolescentes impacta diretamente na educação sexual deles. 
É importante que os profissionais da saúde, nos serviços exclusivos aos adolescentes, sejam treinados para realizarem rodas de conversa periodicamente, por exemplo.
Elas auxiliam diretamente no conhecimento sexual deste público, além de fortalecer a autoestima, a autoimagem e atingir diretamente a segurança das relações entre eles.
Além das rodas de conversas que acontecem semanalmente nas unidades da Casa do Adolescente, o SUS contribuiu diretamente ao estimular a distribuição gratuita de contraceptivos naturais em diversos locais, além da implantação de dispositivos intrauterino (DIU) de cobre ou hormonal e ações em saúde voltadas para saúde sexual e reprodutiva.
Em todo o Estado, entre Casa do Adolescente e serviços universitários, localizados estrategicamente em áreas de maior vulnerabilidade, são mais de 120 serviços que estão à disposição desta população específica.
É importante que este trabalho de conscientização seja efetivo e garanta qualidade de saúde das jovens.