domingo 14 de abril de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 14/04/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Editorial

Mortes no trânsito

28 junho 2017 - 05h00
O DS trouxe ontem reportagem mostrando que o Alto Tietê registrou 75 mortes no trânsito durante os cinco primeiros meses deste ano. 
Existe uma intensa campanha por parte das autoridades e adoção de medidas na tentativa de reduzir as estatísticas preocupantes.
Hoje, estatísticas apontam que 90% dos acidentes de trânsito no País são causados pela imprudência do condutor. 
O condutor deve ser mais consciente, responsável. Especialistas afirmam que o difícil é mudar a cultura do brasileiro, que precisa respeitar as leis. 
Na reportagem que o DS publicou ontem foi apontado que o índice teve queda de 18,48% em relação ao ano passado, quando foram registrados 92 óbitos. Até agora, fevereiro e março são os meses mais violentos no trânsito da região, com 41 vítimas fatais. No mesmo período, em 2016, março seguido de abril foram os piores meses para o trânsito regional, com 43 mortes. Os dados são do programa estadual Movimento Paulista de Segurança no Trânsito (InfoSiga).
Segundo o balanço, divulgado mensalmente, Itaquaquecetuba e Mogi das Cruzes são as cidades onde é registrado o maior número de acidentes fatais, 17 e 16, respectivamente. Na sequência aparece Suzano com 11 óbitos. Salesópolis, por outro lado, é a cidade com o trânsito mais seguro, em cinco meses teve apenas um acidente fatal. Ferraz de Vasconcelos e Guararema também aparecem no ranking regional com bons índices de trânsito seguro. O primeiro município registrou duas mortes, enquanto o segundo - três.
Em 2015, o governo do Estado lançou o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, comitê constituído por nove secretarias para construir políticas que promovam a redução de vítimas do trânsito no Estado.
O objetivo principal da iniciativa é diminuir pela metade os óbitos por acidente até 2020. O programa é um desdobramento do decreto nº 61138/2015 que determinou a elaboração de medidas para diminuir o número de mortes do trânsito.
É uma questão fundamental esse trabalho. No Estado de São Paulo, a primeira causa de morte há 10 anos era homicídio. Hoje, é acidente rodoviário com mais de 6,5 mil mortes por ano e quatro vezes mais esse valor de sequelados.
Dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde, o DataSUS, apontam que, em 2013, o Estado de São Paulo registrou 6.564 mortes provocadas por acidentes de transporte terrestre, com 38.140 internações de residentes do estado. Deste total, 82% eram homens e 44% tinham idade entre 20 e 39 anos.
O mês de maio registrou 15 óbitos no trânsito. Destes, 11 eram homens e três mulheres. Em relação ao tipo de acidentes, sete casos são resultados de colisão e quatro de atropelamentos. O Alto Tietê também registrou dois casos não identificados e uma morte por choque entre veículos. É importante que se busquem, cada vez mais, políticas de redução de mortes no trânsito, que sempre é perigoso.