sábado 24 de fevereiro de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 24/02/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Editorial

Projeto 'Aedes do Bem'

11 fevereiro 2024 - 05h00Por editoracao

O trabalho de conscientização e ações de combate ao mosquito Aedes Aegypti seguem em Suzano.
Projetos importantes também são desenvolvidos. Nesta semana, a Secretaria de Saúde de Suzano, por intermédio do Setor de Controle de Zoonoses, iniciou a implantação do projeto “Aedes do Bem”, realizado em parceria com a empresa Prime Soluções Ambientais, por meio da tecnologia Oxitec, no Jardim Varan. 
Estão sendo instaladas 90 caixas contendo ovos dos mosquitos machos autolimitantes, que não picam e não transmitem doenças, com o objetivo de diminuir a população de Aedes aegypti local por meio do cruzamento com as fêmeas, que são responsáveis pela transmissão da dengue, zika, chikungunya e febre amarela.
O projeto ‘Aedes do Bem’, que utiliza mosquitos geneticamente modificados em laboratório para atuar no combate ao vetor da dengue, ganhou um novo modelo que utiliza "mini caixas" da tecnologia em versões domésticas, com dosagem menor dos insetos para uso em residências ou pequenos estabelecimentos comerciais.
Segundo o projeto, os “mosquitos machos do bem” iniciam uma procura pelas fêmeas presentes no ambiente e, deste cruzamento, apenas novos machos autolimitantes nascerão, as fêmeas não sobrevivem até a fase adulta. O resultado é a diminuição na quantidade de mosquitos que transmitem doenças e, consequentemente, o controle populacional na região tratada.
Em Suzano, os equipamentos foram instalados em 30 pontos diferentes do bairro, com três “Caixas do Bem” por ponto de liberação. Cada uma delas contém refis de ovos dos “Aedes do Bem”, que serão renovados a cada 28 dias.
Funcionários do Setor de Controle de Zoonoses e da Secretaria Municipal de Saúde serão mobilizados para realizar a manutenção e fiscalização das caixas. Elas foram instaladas em postes e em residências após a autorização formal de moradores a uma altura de até dois metros do chão.