Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 24 de março de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 23/03/2019
CENTERPLEX SUZANO
PMMC SEMAE

Tristeza eterna

15 MAR 2019 - 23h59
Os capítulos da maior tragédia da história de Suzano vão ficar para sempre na memória dos moradores da cidade. 
A cada dia, as cenas da tragédia com oito pessoas mortas na Escola Raul Brasil por causa da ação de dois atiradores, ex-alunos, que cometeram suicídio, em seguida, ficam marcadas na memória de todos.
Na edição deste sábado, o DS prossegue com o noticiário do caso trazendo novidades.
Um terceiro suspeito de envolvimento no atentado agora é investigado.
Ontem, após duas horas dando explicações ao Ministério Público (MP), o adolescente suspeito de participar do planejamento do massacre à escola Raul Brasil, em Suzano, foi liberado pouco depois do meio-dia. A Justiça ainda deve definir se decretar ou não a apreensão do adolescente.
O depoimento durou cerca de duas horas. O jovem chegou na companhia da mãe, por volta das 10h45. 
Depois, foi direto à sala do MP. Promotores da Vara da Infância e Juventude fizeram perguntas à respeito do massacre, como, por exemplo, a ligação dele com os atiradores.
Ontem também, alunos e professores de escolas de Suzano percorreram as ruas da cidade em uma manifestação "silenciosa" em homenagem às vitimas do massacre na Escola Raul Brasil. Os estudantes caminhavam com flores brancas e faixas pedindo a não legalização do porte de armas. 
Segundo os organizadores do evento, cerca de 500 pessoas participaram da homenagem.
A concentração aconteceu na Praça dos Expedicionários. No local, representantes do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) deram as orientações aos participantes. 
Flores brancas foram distribuídas para os manifestantes e alunos carregavam cartazes com apelos contra a liberação da posse de armas.
A manifestação seguiria pelas ruas da cidade em silêncio, em respeito aos mortos na chacina. 
Medidas, com certeza, vão ter tomadas pelas autoridades nos próximos dias para garantir a segurança nas escolas. 
Outra trabalho importante é por parte da Procuradoria Geral do Estado (PGE) que montou um plantão de atendimento para os familiares das vítimas e dos alunos que foram feridos na tragédia ocorrida na Escola Estadual Professor Raul Brasil para esclarecer dúvidas jurídicas que possam surgir neste momento. 
É importante, nesse momento tão difícil, reforçar a solidariedade com os familiares, professores e amigos das vítimas.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias