sábado 20 de abril de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 20/04/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Editorial

Vigilância Solidária

04 julho 2017 - 05h00
A segurança tem sido uma das grandes preocupações, tanto por parte da sociedade como das autoridades. É preciso investir em política pública de segurança, reforçar o número de policiais nas ruas e ainda garantir, por parte do poder público municipal, condições adequadas de zeladoria para evitar riscos, como por exemplo uma boa iluminação pública.
Em Poá, um projeto vem dando resultados positivos. A cidade tem três câmeras de Vigilância Solidária. Os equipamentos estão instalados na Rua Vinte e Seis de Março, Avenida Adutora e Avenida Getúlio Vargas. A ação faz parte do projeto de ampliar o monitoramento nos bairros e este trabalho conta com o apoio da comunidade. Está sendo implementado no município um programa de cooperação entre o Poder Público e a sociedade, em que os aparelhos de vigilância particulares e públicos poderão ser integrados em uma mesma central.
Segundo a Prefeitura, existe uma ferramenta que controla de forma digital câmeras particulares (que estejam voltadas para vias públicas), que podem ser utilizadas pelo Poder Público, ampliando o monitoramento em toda a cidade e auxiliando assim na vigilância nos organismos de segurança como a GCM e as polícias Militar e Civil. As imagens dos equipamentos podem ser acessadas por qualquer pessoa no site www.vigilanciasolidaria.online ou ainda por meio do aplicativo Vigilância Solidária. 
Por meio deste sistema será possível ter acesso fácil e rápido a gravações, que poderão auxiliar a polícia em investigações, na prisão de suspeitos e como instrumento de provas, já que existe uma dificuldade grande de identificar testemunhas em determinados delitos.
Com essa ferramenta será possível integrar as câmeras de vigilância particulares da cidade com a central de monitoramento da administração municipal. 
A plataforma de segurança ainda possibilita um ‘botão de pânico’, que o munícipe pode acioná-lo e rapidamente identificar o local que pode estar ocorrendo um delido e assim tomar as ações necessárias.
Poá é pioneira da região com o projeto, e o mesmo quando estiver em pleno funcionamento fará da cidade uma das mais bem monitoradas do Alto Tietê. A iniciativa além de identificar situações de violência e criminalidade, vai aprimorar o monitoramento do patrimônio público, como escolas e unidades de saúde, e fiscalizar as ruas para impedir descarte irregular de lixo e pichações.
Recentemente a Secretaria de Segurança Urbana de Poá iniciou um trabalho com líderes de bairros e criou um grupo no aplicativo WhatsApp, chamado Poá+Segura. O objetivo da ação também foi aumentar o monitoramento da cidade em parceria com a população. 
A segurança tem sido uma grande preocupação. Requer a formatação de políticas públicas importantes que garantam sensação de segurança à população.