terça 21 de maio de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/05/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Nacional

Argentina enfrenta risco crescente de epidemia de dengue

Doença é conhecida também no país como "febre quebra-ossos"

08 abril 2024 - 14h10Por Da Agência Brasil

Os mosquitos estão aparecendo mais cedo na Argentina e atingindo regiões mais frias. O aumento das temperaturas impulsiona o pior surto de dengue do país e eleva o risco de epidemias mais regulares do vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, dizem cientistas.

Até agora, na temporada 2023/24, a Argentina registrou 232.996 casos da doença, também conhecida como "febre quebra-ossos" devido às fortes dores musculares e articulares que pode causar, além de febre alta, dor de cabeça, vômitos e erupções cutâneas.

Esse número é bem superior ao recorde histórico anterior de 130 mil, registrado na última temporada, e cinco vezes maior do que o número notificado no mesmo período do ano passado, segundo os últimos dados oficiais. Os casos geralmente aumentam no final do verão, por volta de março e abril, mas começaram muito antes nesta temporada.

"O aumento do número de mosquitos no final da primavera está cada vez mais precoce", disse Sylvia Fischer, doutora em ciências biológicas e pesquisadora do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet).

Os cientistas estão vendo a doença mais do que antes em regiões mais frias, mais ao Sul da Argentina, acrescentou Fischer.

"Todos esses são lugares onde, há alguns anos, a doença não podia ser encontrada", afirmou ela, acrescentando que isso reflete uma tendência regional mais ampla, em que a estação dos mosquitos está sendo estendida por um clima mais quente, em parte ligado às mudanças climáticas.

"Se eu tivesse que extrapolar, diria que temos a possibilidade de ter epidemias de dengue talvez todos os anos."

Na Argentina, o surto deste ano sobrecarregou os hospitais e deixou as prateleiras vazias de repelentes de insetos, com os vendedores aumentando os preços quando têm estoque. O governo está facilitando as importações de spray contra mosquitos para atender à demanda.

"Tenho muitos pacientes hospitalizados por causa da dengue", disse Leda Guzzi, médica infectologista. Para ela, embora a maioria dos casos não seja grave, o grande número pode levar a um surto mais mortal no próximo ano, à medida que as pessoas forem reinfectadas.

"A doença se espalhou tremendamente e realmente achamos que o próximo ano será muito difícil porque haverá muitos segundos episódios de dengue."