sábado 24 de fevereiro de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 24/02/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Nacional

MST ocupa três latifúndios da empresa Suzano Papel e Celulose na Bahia

Ação realizada nesta segunda-feira (27) também envolve mais um latifúndio no município de Jacobina

01 março 2023 - 09h00Por de Suzano

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocupou três latifúndios de monocultivo de eucalipto na madrugada desta segunda-feira (27), da empresa Suzano Papel e Celulose, nos municípios de Teixeira de Freitas, Mucuri e Caravelas, na Bahia.

Um outro latifúndio foi na Fazenda Limoeiro, no município de Jacobina. Segundo o MST, a ocupação composta por cerca de 1.700 famílias reivindica a desapropriação imediata dos latifúndios para reforma agrária. Para eles, estas propriedades atualmente não estão cumprindo sua função social.

Em texto publicado no site oficial do movimento, informaram que o ato também foi uma denúncia contra a monocultura de eucalipto na região e o uso de agrotóxicos pela empresa, “que prejudica as poucas áreas cultivadas pelas famílias camponesas e o êxodo rural provocado pela monocultura do eucalipto na região”.

Na ocupação, os trabalhadores e trabalhadoras repudiam ainda “os problemas relacionados à crise hídrica nos municípios, causados pela produção em grande escala de eucalipto e a pulverização aérea realizada nas áreas dos monocultivos”.

Além disso, denunciam “a grande concentração de terras por fazendeiros e empresas do agronegócio na Bahia”. Para o MST, o modelo de produção baseado na concentração de terra e no monocultivo é insustentável e não gera desenvolvimento.

Em resposta ao questionamento da CNN Brasil, a empresa Suzano disse que as ações “violam o direito à propriedade privada e estão sujeitas à adoção de medidas judiciais para reintegrar a posse dessas áreas.”

A Suzano ainda explicou que cumpre integralmente as legislações ambientais e trabalhistas nas áreas onde mantém atividades de trabalho.

Deixe seu Comentário

Leia Também