Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Sexta 24 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 24/11/2017
mrv

‘Enigmas da Primavera’ do escritor João Almino chega às livrarias do País

27 MAI 2015 - 08h00

Primeiro veio a ideia de escrever um romance centrado num personagem muito jovem, que fosse movido pelas redes sociais e vivesse essa evolução recente dos contatos virtuais. Era 2010, e, no ano seguinte, o escritor e diplomata João Almino se mudaria para Madri para uma temporada profissional. Chegando lá, seu personagem, então um rascunho, foi adquirindo novas camadas porque Almino começou a se interessar pelo tema da ocupação islâmica na Península Ibérica.

Vizinho da Biblioteca Nacional da Espanha, foi ali que ele iniciou as pesquisas. Nessa época, a primavera árabe estava começando a chacoalhar o mundo e os jornais já traziam notícias sobre o islamismo radical. E a história, que ele queria, desde o princípio, que tivesse como ponto de partida uma certa desorientação do mundo atual, foi ganhando corpo. Enigmas da Primavera, lançado agora, aborda isso tudo e muito mais: família, amor, liberdade, responsabilidade, busca de identidade e de entendimento do mundo, rejeição, frustração e delírio.

Majnun é um garoto na casa dos 20 anos que foi criado, confortavelmente, em Brasília, pelos avós maternos - que lutaram pela democracia quando o País vivia sob a ditadura militar. O pai, que tinha 15 anos quando engravidou a mãe, morreu de overdose. Ela, viciada em heroína e com surtos psicóticos, estava internada. "Quando pensava nela, imaginava-a tomando uísque e cheirando carreiras de cocaína", nos informa o narrador

Frustrado por não conseguir entrar na faculdade de História, vive mergulhado em pesquisas na internet. Seu interesse: encontrar na tradição islâmica a explicação da tolerância. Sua vontade é que um ensaio sobre o tema perpasse a novela que ele está escrevendo sobre o Alhambra. Seu interesse pelo mundo árabe, porém, não é gratuito. Sua avó paterna é descendente de árabes, muçulmana que não usa o véu, e é com ela - e com um professor espanhol - que ele conversa sobre essas questões.

É perdidamente apaixonado por Laila (como Majnun, o louco da história árabe do século7, é por Layla). Ela é muçulmana como a avó dele, mais velha e casada. Depois de uma reviravolta nessa sua história de amor, ele parte para Madri com duas amigas que participariam da Jornada Mundial da Juventude, o grande encontro de jovens católicos com o papa. Era a desculpa perfeita para fugir dos problemas e realizar o sonho de visitar Granada. Na verdade, seu sonho era ter vivido ali séculos atrás.

Enquanto essa história vai sendo contada, Majnun flerta com o islamismo radical, rompe com a família, perambula por Madri, delira e surta em Granada. Na volta da Espanha, encontra um jeito de fazer a diferença. Já estamos em 2013 e a população está nas ruas de todo o País protestando contra uma série de problemas. Ele também.

"É um risco muito grande fazer um romance sobre questões contemporâneas, mas sempre me interessei pelo tema do presente", conta João Almino. Assim, tentou entrar nesses acontecimentos - além da primavera árabe e dos protestos de junho, estão ali o movimento dos indignados, da Espanha - por meio da visão subjetiva dos personagens e tentando verificar, como diz o autor, do ponto de vista emocional, como eles estão sendo mobilizados por esses acontecimentos. Assim, não importa o resultado da ação, mas, sim, sua influência naquele personagem.

Majnun poderia ser um desses jovens que deixam tudo para trás e se envolvem com grupos islâmicos radicais. "Isso tem um sentido de utopia para ele, mas uma utopia regressiva. Uma volta a um passado que nunca existiu. E essa é também uma das inspirações dos grupos radicais, que acreditam que houve essa pureza, essa inocência original, mas ela nunca existiu", diz o autor.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias