domingo 19 de maio de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/05/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Editorial

Educação

24 março 2024 - 05h00Por editoracao

O DS traz, na edição deste domingo (24), reportagem especial mostrando a quantidade de prédios escolares construídos pelos municípios desde 2021 até agora. O problema é a grande demanda. As construções ainda não são suficientes para atender 100%.
Mas é um grande esforço, um desafio. A Educação tem sido uma pasta, cada vez mais importante. Requer investimentos altíssimos na tentativa de aprimorar o setor. Tudo defende da Educação.
Só para se ter uma ideia, o desafio é grande em todas as esferes de governo: municipal, estadual e federal.
Na semana passada, por exemplo, a Câmara dos Deputados aprovou o texto-base do projeto de lei que redefine a Política Nacional do Ensino Médio no Brasil. A proposta aprovada estabelece uma carga horária de 2,4 mil horas para a formação geral básica (somados os três anos) e 1.800 para a formação técnica, de forma escalonada. A proposta ainda deverá ser analisada pelo Senado. 
Os deputados federais votam agora os destaques, que podem alterar pontos da proposta. 
É um problema importante para garantir novos rumos, mas que ainda depende de discussões sobre o tema. A tentativa é válida para garantir novos investimentos e um olhar mais atento para o setor.
O projeto aprovado é uma alternativa à reforma do ensino médio estabelecida em 2017, que previa 1,8 mil horas para a formação básica, com 1,2 mil para os itinerários formativos, que são as disciplinas que o aluno escolhe para se aprofundar a partir do que lhe é ofertado. O governo atual enviou uma nova proposta ao Parlamento, estabelecendo a formação básica mínima de 2,4 mil horas. O substitutivo aprovado mantém como opcional a oferta da língua espanhola. Também mantém a possibilidade de contratar profissionais com notório saber, sem formação em licenciatura, para disciplinas do itinerário técnico profissionalizante.
Os itinerários formativos terão carga mínima de 600 horas e serão compostos pelo aprofundamento das áreas de conhecimento, consideradas as seguintes ênfases: linguagens e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e sociais aplicadas; e formação técnica e profissional.