Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quarta 22 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 22/11/2017
mrv

Cantora Zélia Duncan faz show no formato intimista com voz e violão

18 JUL 2015 - 08h00

Zélia Duncan faz uma imagem interessante de si mesma: se vê como um chinês equilibrando vários pratos ao mesmo tempo. É que ela não para. Emenda um projeto em outro - isso quando não toca vários deles ao mesmo tempo. Zélia estreou em maio, em Campo Grande, seu novo show, "O Lado Bom da Solidão", que apresenta hoje, em São Paulo, no Teatro J. Safra. O repertório faz uma espécie de retrospectiva de sua obra com uma roupagem intimista - e unplugged -, só com voz e violão.

"Nesse formato, gosto de pensar como se o público pudesse estar perto de mim quando as músicas nascem, elas nascem dessa maneira solitária", descreve a cantora e compositora. "Um show dentro de um teatro, só com o violão, chama as sutilezas, os silêncios, um jeito de pensar música um pouco diferente, um pouco mais introspectivo, que está muito longe de ser triste. Acho engraçado como hoje em dia temos dificuldade com o silêncio. Acho que a nossa vida é tão barulhenta em todos os sentidos."

O título do show é inspirado em sua música "O Lado Bom" (dela e Christiaan Oyens), faixa de seu quarto disco, "Acesso", de 1998. "Sozinha/Observo melhor as cores/Os excessos/Os afetos/Que me faltam/ou me afetam/Sem ninguém por perto/Meus olhos/ficam mais abertos/Imersos num vazio", canta ela em um trecho da letra. Com 50 anos de idade e 34 de carreira, Zélia lembra da época em que era adolescente, da felicidade que sentia quando todos saíam de casa e ela ficava sozinha. "Eu morava numa casa muito habitada pelos quatro (irmãos). Todo mundo jovem, cada um com uma demanda diferente. Têm os irmãos mais velhos que sempre acham que são os donos da casa." Nas ocasiões em que estava só, ela se deleitava ao escutar, tranquilamente, seus discos de MPB, que não precisavam disputar a vitrola com os LPs rock’n’roll dos irmãos.

"Apagava a luz e ficava ouvindo. Eu tinha todas as emoções do mundo e aquele momento foi crucial para mim. Era a hora que eu estava escolhendo o que ia fazer da vida. Mesmo que eu não soubesse que estava escolhendo, eu estava."

Zélia prefere não entregar o repertório do show "O Lado Bom da Solidão", mas adianta que cantará músicas de Alice Ruiz e Itamar Assumpção, alguma coisa do disco Zélia Duncan, de 1994, que reuniu sucessos como "Catedral" - "uma música dali que não toco há muito tempo é Um Jeito Assim". Como se trata de uma apresentação totalmente no seu controle, ela diz que dá para atender aos pedidos da plateia. "Algumas das músicas que são para dançar, eu convido a um outro jeito de ouvir. Não precisamos ficar ansiosos para provocar a festa: ela é a gente estar ali."

Em agosto, a partir do dia 11, a cantora retorna a São Paulo com temporada do belo projeto "ToTatiando", no Teatro Porto Seguro. Todas as terças, até 27 de outubro, ela apresenta o espetáculo em homenagem à obra de Luiz Tatit, com direção de Regina Braga. No início de "ToTatiando", Zélia conta que elas não sabiam ao certo defini-lo: seria teatro ou música? "Era um grande perigo para mim, porque me coloco ali como uma atriz. Até hoje, a confusão perdura. Acho que é teatro, mas que não existiria sem aquelas músicas, aquelas palavras do Tatit. Foi uma coisa inventada por mim e pela Regina Braga", afirma ela, que se diz eufórica, assim como Regina, com esse retorno do projeto.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias