Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quarta 13 de Dezembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 13/12/2017
mrv

Exposição ‘Estamparia Romanato’ exibirá 50 peças no Centro Cultural

24 ABR 2015 - 08h00

Com o intuito de recordar a história da cidade, a Prefeitura de Suzano abre na próxima segunda-feira a exposição “Estamparia Romanato – A trajetória de Quem Participou do Desenvolvimento de Suzano”. A mostra, que traz para o presente um dos capítulos iniciais da história da indústria no município, reunirá mais de 50 peças históricas no Centro de Educação e Cultura Francisco Carlos Moriconi. A visitação é gratuita e segue até 24 de junho.

A exposição será inaugurada hoje para autoridades e convidados especiais no Centro Cultural Moriconi. A curadoria é de Pedro Neves, Policarpo Ribeiro, o Poli, e Francisca Xavier.

Na exposição, o público poderá observar fotografias originais, mostra de tecidos, documentos, registros, livros caixa, ficha de funcionários, publicações, calendários, objetos de escritório e peças auxiliares da linha de produção da Tinturaria e Estamparia Industrial de Tecidos Suzano (1920-1997), popularmente conhecida e lembrada como Estamparia Romanato, que conta um pouco de como foram seus 57 anos de atividade no setor têxtil do município.

A Estamparia ficou conhecida até hoje pelo nome de família dos irmãos Romanato – Bruno, Armando e Luiz, que compraram, em 1957, de Edmundo Maluf, filho de Jorge Bey Maluf, empresário fundador da indústria em 1920. Dedicava-se ao beneficiamento de tecido para terceiros, chegando a empregar, em seu auge - aproximadamente 350 trabalhadores. Como indústria pioneira, teve papel importante e foi um marco no desenvolvimento da cidade. Impulsionou o desenvolvimento urbano ao seu redor, com a criação da Vila Maluf, em uma área localizada aos fundos da empresa, e de outros bairros próximos, especialmente na década de 60.

Funcionários de sobrenome Renzi, Bianchi, Marques Figueira, Cusma, Talarico, Quadra Andrez, entre outras famílias pioneiras da cidade, trabalharam na empresa, que chegou a produzir mais de mil metros por dia de tecido estampado manualmente, entre outros processos mecanizados de beneficiamento têxtil.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias