Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Sexta 24 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 24/11/2017
mrv

Globo avalia resistência à Babilônia

02 JUL 2015 - 08h00

Diante de tendências conservadoras e de uma polarização de comportamento, ideologia e religião, é de se perguntar como um canal de TV que sempre foi bem sucedido em agradar o gosto médio da massa tem agido na escolha de sua programação. O diretor-geral da Globo, Carlos Henrique Schroder reconhece que há "um país mais conservador do que você imagina", mas não descarta a "fragilidade" de Babilônia ao fazer um diagnóstico sobre o que teria impedido que a novela das nove alcançasse uma audiência maior que seus 24 ou 25 pontos, média bem aquém do hábito do horário. O diretor conversou com poucos jornalistas, no Planetário do Rio, durante o International Academy Day, evento criado pela academia que organiza a premiação do Emmy e do qual a Globo é anfitriã este ano.

Boa parte da reforma operada na novela das nove foi determinada não pela Globo, mas por observações feitas pelo Ministério da Justiça (MJ), por meio do Departamento de Classificação Indicativa. O MJ, no entanto, nega que tenha feito restrições ao beijo entre Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg - argumenta que não discrimina beijo hetero ou homossexual. "Eles dizem isso, mas essa questão também aparece nas anotações que nos chegam".

"O beijo é o pano de fundo. Não é o beijo, especificamente, mas há o acompanhamento da novela com lupa. O Ministério da Justiça acompanha rigorosamente tudo. Às vezes, uma chamada chama a atenção deles. Entre o processo de uma conversa e o resultado efetivo de uma notificação, tem um diálogo. Se você olhar o beijo, não há motivo para notificação. E não houve mesmo. Às vezes (uma notificação) é motivada por um e-mail de um telespectador. Tem que ter bom senso. Se você vir que aquilo ali está de fato indo contra uma classificação, discute, alerta. Nós temos CAT (Central de Atendimento ao Telespectador), com 6 mil ligações por dia. As pessoas reagem. Qualquer excesso, a gente percebe na hora."

Se a novela atual tinha prostituição na sinopse original, por que o MJ não notificou a emissora também por Salve Jorge, que abordava esse assunto, também na faixa das 21h? "Em Salve Jorge, implicaram também. Toda novela tem algo." E, se alguma advertência chega depois que a novela acaba, sem chance de ser corrigida em tempo? "A punição, aí, é que a gente não pode usar a novela no Vale a Pena Ver de Novo", diz. Caminho das Índias, que ocupará a reprise da tarde a partir de julho, sofreu vários cortes para se adequar à classificação do horário.

Schroder lembra que corre no STF uma ação, "há anos", movida pelas associações que representam as empresas de radiodifusão, para que a Classificação Indicativa se torne Orientação Indicativa, sem imposição de horário, "como nos Estados Unidos", diz. As TVs anunciam que determinado programa não é adequado para menores de X anos, mas sem que essa orientação esteja atrelada às faixas horárias, como ocorre na TV paga. "Se o Supremo decidir pela Orientação Indicativa, acaba esse problema."

O diretor reconhece os méritos das novelas infantis no SBT e de Os Dez Mandamentos, na Record. "A gente fez muitas reuniões de avaliação com o Gilberto (Braga, autor), com o Silvio (de Abreu, diretor do núcleo de novelas) para discutir. São coisas que, às vezes, você não entende. Acho que tem dois fatores: o primeiro, claro, a novela em si, na qual alguma coisa da trama não funcionou. Mas, ao mesmo tempo, houve uma mudança com a estreia de Os Dez Mandamentos e a novela infantil que o SBT colocou. Algum público já tinha saído também. Não vou tirar o mérito de um lado e talvez a fragilidade do outro, mas as duas combinações aconteceram."

Schroder aposta em A Regra do Jogo, de João Emanuel Carneiro, que já vem sendo gravada e terá sua estreia antecipada. Sabe que SBT e Record manterão, cada uma, a receita que deu certo, "mas acho que, sempre que você tem um produto forte, você derruba isso". "Por isso, acho que tem uma fragilidade no que aconteceu, o que propicia um terreno fértil para o outro crescer. Quando o produto é forte, não tem jeito: é vencedor. A novela do João está muito forte, boa. O elenco é excepcional."

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias