Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Sábado 25 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 24/11/2017
mrv

Sarau LiteraturaNossa recebe o autor Rodrigo Ciríaco e o músico Ba Kimbuta

14 ABR 2015 - 08h00

O escritor independente Rodrigo Ciríaco e o músico Ba Kimbuta são esperados na próxima sexta-feira no Sarau LiteraturaNossa. O projeto da Associação Cultural Literatura no Brasil (ACLB) será realizado a partir das 19h30 na Comunidade Kolping de Suzano e terá como destaques o lançamento do livro "Te Pego Lá Fora" e um pocket show em ritmo de hip hop.

A iniciativa conta com apoio do Programa de Ação Cultural (ProAC) e a entrada é gratuita e aberta ao público em geral. No decorrer das apresentações haverá sorteio de livros e camisetas.

Landy Freitas, coordenadora do projeto, diz que durante o Sarau haverá seleção dos textos que vão estampar os imãs-poéticos (imãs de geladeira com poesias), iniciativa lançada este ano pela ACLB com o intuito de valorizar a participação dos artistas.

"Já selecionamos quatro poetas para participar dos imãs-poéticos e ainda restam duas vagas, que serão preenchidas somente até este mês. Ficamos surpresos com o interesse das pessoas em aderir à iniciativa. Percebemos que ações como esta estimulam a participação e levam o público a aperfeiçoar sua narrativa", comenta.

Nos contos de "Te Pego Lá Fora", que terá sessão de autógrafos no Sarau, o autor Rodrigo Ciríaco mostra sua habilidade em transpor a oralidade cotidiana da periferia para uma expressão literária. Sua escrita marginal expõe com destemor os problemas centrais do Brasil contemporâneo. Os textos são amparados pela versatilidade formal que vai do microconto ("Pedido Irrecusável" e "Medo") à dramaturgia de "A Queda", passando por narrações em primeira pessoa ("O Livro Negro" e "Um Estranho no Cano") e cômicas histórias estruturadas em diálogos como "Socá pra dentro" e "Boi na linha'.

A divisão do livro em estações do ano é engenhosa, o que resulta em uma leitura vertiginosa, potencializada pelos grafismos hipnóticos da edição que lembra um caderno escolar. Os contos finais, em especial os da primavera, sedimentam o triunfo da literatura para além do simples salvacionismo, tanto contra o bullying ("Poeta") como contra a descrença (o conto-manifesto "Literatura (é) possível").

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias